Paul Cézanne, o pai da modernidade na pintura

Oi Gente

O post de hoje tem como objetivo trazer alguns fatos sobre a vida de Paul Cezánne, considerado o pai da modernidade nas artes.

Paul Cézanne, em sua vida não tem grandes viagens exóticas, mulheres e nem mesmo dificuldades econômicas como Van Gogh ou Gauguin, por exemplo.

Via Pinterest

Paul Cézanne foi um pintor francês, do século XIX e início do século XX, que passou por várias fases no seu percurso como pintos, desde o período romântico, impressionista e foi o precursor do movimento cubista.

Pablo Picasso chegou a dizer: “Cézanne foi tão somente meu único mestre! (…) Foi como um pai para todos nós”. p. 7

A sua vida foi dedicada a pintura, sendo apelidado por “São João da Cruz da Pintura”, por fazer da sua arte a sua religião. Apresentava uma personalidade introvertida, as vezes colérico e carrancudo.

Vamos conhecer um pouco mais sobre sua vida e suas obras.

Um pouco sobre sua Biografia

Paul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839, no sul da França, em Aix-en-Provence, uma cidade universitária da região de Provence-Alpes-Côte d’Azur.

Cume Da Pedra Calcária, Penhasco De Iorgovanului Na Montanha De Retezat,  Romênia Imagem de Stock - Imagem de pedra, cume: 42823317
Montagne Saint Victoire

A montagne Saint Victoire, proxima de sua residência, uma montanha de pedra calcária com vista para a cidade, bem como a zona rural seriam os temas frequentes nas obras de Cézanne.

Seus pais Louis Auguste Cézanne, exportador de chapéus de feltro e sua mãe Anne-Elisabeth-Honorine Aubert não eram casados até seu nascimento. Os pais se casaram em 29 de fevereiro de 1844, após o nascimento de sua irmã Marie e, mais tarde Paul Cézanne teria mais uma irmã Rose. Mas, foi com Marie que ele tinha uma relação mais próxima familiar.

O artista teria o seu primeiro contato com os livros, na escola de Aix, uma pequena escola primária, onde somente em 1877 teria ligação através da linha ferroviaria entre Aix e a capital Marselha.

Seu pai, mais tarde, adquiriu uma ascensão econômica se associando ao caixeiro do Banque Bargès, onde fundaram o Banque Cézanne et Cabassol. Seu pai era um homem severo e mantinha uma relação difícil, distante e temerosa com o filho Paul Cézanne. Assim, seu pai passa a ser um personagem rico na cidade de Aix.

Com o poder aquisitivo melhor da família, Paul vai estudar na École Saint Joseph e, logo após, ingressou em uma escola com maior prestígio, o Collége Bourbon, permanecendo lá até os 19 anos.

Paul Cézanne – Wikipédia, a enciclopédia livre

Paul Cézanne, adquiriu uma boa formação humanista no Collége Bourbon e arrumou um grande amigo Émile Zola, nascido em 1840 e se tornaria um renomado escritor Francês. Os dois amigos se uniram a Baptistin Baille e esse trio passaram a ser conhecidos como o “trio dos inseparáveis”.

Paul Cezànne e o início de seu interesse pelas artes

Em 1857, depois de Cézanne ter se destacado como poeta, surge seu interesse pelas artes e, assim, iniciou-se em estudos paralelos artísticos na École Municipale Livre de Dessin de Aix, onde aprendeu a desenhar com Joseph Gilbert, um monge espanhol.

Seu grande amigo Zola, após a perda do pai, vai residir em Paris com sua mãe, o que deixa o grande amigo Cézanne em um estado de profunda depressão. Foram inúmeras correspondências para manter essa amizade.

CEZANNE,1867-70 - Portrait d'Achille Emperaire (drawing, dessin, disegno-Louvre RF31778) - 0 -  TAGS/art painter peintre details détail détails detalles "French painters" "peintres français" 19th 19e croquis étude study studies sketch sketches drawings dessins disegni  "dessins 19e" "19th-century drawings" Museum musée "Paul Cézanne" "Paul Cezanne" Cezanne Cézanne figures personnes people pose model portrait portraits face faces visage man men hommes hommage tribute

Apesar de Cézanne demonstrar uma grande habilidade pelo desenho, onde chegou a ganhar um segundo lugar em um concurso da Escola, acabou atendendo ao desejo do pai em estudar direito. Assim, frequentou a universidade entre 1859 a 1861, quando decidiu abandonar o curso para se dedicar naquilo que aprendera a amar.

Cézanne vai morar em Paris

Em 1861, no outono, se instalou pela primeira vez em Paris. Nessa cidade, assistiu às aulas da Academia Suíça, visitou o Louvre e visitou a exposição anual parisiense.

Apesar do apoio de seu grande amigo Zola, Cézanne permaneceu em Paris por apenas seis meses e retorna a Aix. No seu retorno, chegou a trabalhar durante um ano no Banco de seu pai e com a insatisfação nesse trabalho chegou a escrever no livro-caixa de seu pai “Cézanne, o banqueiro, vê não sem horror que, atrás de uma mesa, nasce um pintor”. p. 15

Paul-Cezanne-Self-Portrait-6-
Auto-retrato com chapéu preto (1879-1882) – Óleo sobre tela 61 x 51 cm – kunstmuseum, Berna

Aos 23 anos, em novembro de 1862, retorna a Paris em busca de prosseguir com seu desejo de fazer uma carreira artística, onde permaneceu até o verão de 1864.

Ficheiro:Achille Emperaire, par Paul Cézanne.jpg – Wikipédia, a  enciclopédia livre
Portrait des Achille Emperaire. Obra que se tornou famosa. Óleo sobre Tela – 1868 197 x 120 cm

Em Paris, Cézanne encontrou-se com Camile Pissarro, Claude Monet, Alfred Sisley, Frédéric Bazille, Pierre-Auguste Renoir e Achille Emperaire, (colega da escola primária de Aix).

Café-Guerbois))) In the early 1860s, four young painters—Claude Monet,  Pierre-Auguste Renoir, Alfred Sisley, and Frédéric Bazille—met while  studying under th…
Café Gerbois

Na companhia dos amigos, Cézanne se reunia no Café Gerbois, também se encontrando com Francisco Oller e Antoine Guillement. Nessa época, sua pintura se encontrava no gênero romântico. “O pintor combinava a inspiração dos clássicos da pintura contemplados e copiados no Museu do Louvre com as novidades do campo artístico”. p. 16

1886 - Retrato de Louis Auguste Cézanne | Retrato, The wonders
Louis-Auguste Cézanne, pai do artista, lendo o L’événement – Óleo sobre tela 1866 – 100 x 120 cm

Em 1863, Cézanne visita o Salão dos Recusados. Suas pinturas foram exibidas nesse salão. O Salão de Paris rejeitou suas obras por todo o período entre 1864 a 1869.

O seu primeiro período da pintura, denominado como o período romântico e, ainda, academicista, que se prossegue até o ano 1871.

O amor de Cézanne às escondidas do seu pai

'Madame Cezanne Marie Hortense Fiquet in a Striped Skirt' - Paul Cezanne  (1839-1906)

Ainda em 1871, Cézanne inicia a sua relação com Hortense Fiquet, sem o conhecimento de seu pai. “Alegava que o pai, que o forçou a estudar Direito, cortaria a mesada se soubesse. E a farsa continuou, mesmo depois de Hortense ter dado à luz Paul Jr., em 04 de janeiro de 1872. Cézanne passava longos períodos na casa dos pais (…) e o garoto e Hortense ficavam na capital. Eles se casaram somente após 17 anos juntos”.

Hortense Fiquet 80,3x64,3

Marie-Hortense Fiquet, seu nome de solteira, conheceu Cézanne no inicio de 1869, aos 19 anos. Era de família humilde, posava para vários artistas e trabalhava como encadernadora.

Durante sua vida, Cézanne pintaria vários quadros de Hortense. Você poderá apreciá-los por aqui.

The House of Dr. Gachet in Auvers-sur-Oise, 1872–73. Óleo sobre tela, 61.6 x 51.1 cm. Obra de Paul Cézanne. Encontra-se em Yale University Art Gallery, New Haven, Connecticut - EUA.
A casa do Dr. Gachet em Auvers-sur-Oise – Óleo sobre tela 1872-1873 – 61,6 x 51,1 cm – Se encontra em Yale University Art Gallery, New Haven, Connecticut – EUA.

Ainda em 1872, Cézanne, Hortense e Paul se estabeleceram em Pontoise, a convite de Camille Pissaro, aos arredores de Paris. Em algumas de suas obras, observa-se a influência de Pisarro, como as pinturas: A casa do enforcado, A casa de Père Lacroix, A casa do Dr. Gachet em Auvers e Paisagem perto de Pontoise.

Em abril de 1886, o casal contraiu matrimônio e Cézanne reconheceu seu filho Paul, que estava com 14 anos de idade.

Cinco meses mais tarde, ele perderia seu pai e receberia uma rica herança que seria dividida entre seus três irmãos. Assim, Cézanne não tinha como os demais artistas problemas de ordem econômica.

Madame Cézanne at the Metropolitan Museum - Dans son appartement parisien
Foto de Hortense Fiquet em seu apartamento em Paris – Museu Metropolitano

Etapa Impressionista de Cézanne

No período de 1872 a 1877, Cézanne entra em contato com o impressionismo, através de Camilo Pissaro, seu amigo e mestre.

Em algumas de suas obras, observa-se a influência de Pisarro, como as pinturas: A casa do enforcado, A casa de Père Lacroix, A casa do Dr. Gachet em Auvers e Paisagem perto de Pontoise.

A Casa do Enforcado - Cézanne  Primeira Exposição dos Impressionistas  (1874).
A casa do enforcado – Óleo sobre tela 55 x 66 cm – Musée dÓrsay em Paris

Nessa obra acima, por exemplo “os elementos impressionistas são facilmente detectáveis. Primeiro, a escolha do tema, uma paisagem pintada ao ar livre, distante dos retratos ou das composições alegóricas de sua primeira fase”.

Mais tarde, Cézanne abandonará esse estilo para construir seu estilo pessoal.

O período construtivista

Entre os anos de 1878 a 1887, Cézanne começa a experimentar uma nova forma de expressão plástica, buscando chegar a uma nova forma daquilo que desejava mostrar.

“Pinto porque vejo, porque sinto – tenho fortes sensações; também você sente e vê como eu, mas não se atreve. (…) Eu tenho o valor de defender minhas opiniões”. Paul Cézane

Ficheiro:Château de Médan, par Paul Cézanne, Yorck.jpg – Wikipédia, a  enciclopédia livre
O Castelo de Meda (1879-1881) 59 x 72 cm – Glasgow Art Gallery and Museum (Escócia)

Em 1880, passou um período na casa do amigo Zola, em Medan, onde pintou O Castelo de Medan.

Até 1882, Cézanne “continuou a tentar apresentar suas obras. Nesse ano, por intervenção do seu colega e artista Antoine Guillemet, conseguiu exibir o Retrato de Louis-Auguste Cézanne, seu pai, que foi a sua primeira e ultima obra aceita no salão.

Na inauguração da Torre Eiffel, em 1889, Cézanne participou da Exposição Universal de Paris e ali foi exposto o quadro A casa do enforcado. Mas tarde, participaria de outra influente exposição em Bruxelas “Les XX”.

As suas obras começaram a ter o reconhecimento público, porém o pintor tinha uma personalidade retraída e suas relações com os demais artistas se tornariam cada vez mais distante.

Paul Cézanne | The Card Players | The Metropolitan Museum of Art

Em 1890, Cézanne começa a ter problemas crônicos de diabetes, mas isso não o impediu durante essa década de liberar sua capacidade de expressão. Foi no outono desse ano, em Aix, que iniciou a série de composição dos jogadores de cartas. “Naquele momento também pintou os retratos de lavradores em Jas de Bouffan e prosseguiu com sua aplicada tarefa de captar naturezas-mortas.“p. 24

Paul Cézanne | The Card Players | The Metropolitan Museum of Art
Jogadores de Cartas – 1890-1892 – Uma das primeiras versões

“Entre 1890 e 1896, Cézanne produziu uma ambiciosa série de pinturas dedicada ao tema dos jogadores de cartas. Utilizou como modelos os agricultores da fazenda de sua família, perto de Aix-en-Provence. Baseado em numerosos estudos preparatórios, o artista criou cinco composições que desenvolvem e desafiam as representações tradicionais deste tema, popular desde o século XVII. Parece que esta tela do Museu foi a primeira da série. Depois de pintar uma segunda versão duas vezes maior com uma figura adicional—uma criança pequena de pé—Cézanne eliminou os detalhes supérfluos nas três versões posteriores que mostra apenas dois jogadores, confrontando-se em cada lado da mesa.” https://www.metmuseum.org/pt/art/collection/search/435868

A idade e a saúde não me deixarão realizar o sonho de arte que persegui durante toda minha vida. Mas serei sempre reconhecido entre o público de apreciadores inteligentes que tiveram – através das minhas hesitações – a intuição daquilo que tentei para renovar minha arte. Em minha opinião, não substitui o passado, apenas se acrescenta a ele um novo elo”. Paul Cézanne

Vollard um importante Marchand e Galerista na vida de Cézanne

Vollard, Marchand e Galerista, foi fundamental para o reconhecimento da obra de Cézanne. Ele organizou entre os anos de 1895 a 1899, duas exposições monográficas. Esse importante Marchand também contribuiu para o sucesso de Renoir, Gauguin, Matisse, entre outros e, mais tarde, coube a ele a organização da primeira exposição de Picasso.

Aos poucos, Cézanne, foi se isolando cada vez mais. Seu método de trabalho era lento, onde “o pintor calculava milimetricamente cada pincelada e em que as camadas de tinta sobrepunham-se até atingir a estrutura plástica desejada.”p. 26

A morte de sua mãe

Em 25 de outubro de 1897, morre sua mãe e Cézanne ficou extremamente abalado, se sentindo mais solitário. “Em menos de dois anos, vendeu sua propriedade de Jas de Bouffan e se instalou em Aix.” Sua mulher e filho, sempre permaneceram em Paris.

Em 1901, Cézanne comprou, em Les Lauves, um terreno e construiu ali um novo ateliê, onde dominava a paisagem provençal.

Em 1904, o artista ganha uma sala especial para apresentar a exposição de 33 obras de sua autoria e nos dois anos seguintes ele expôs na exposição, porém com número menor de obras.

Em 1905, Vollard organizou outra exposição com suas aquarelas e isso não impedia o artista de continuar trabalhando obsessivamente.

Cézanne, embora cansado e a idade já o limitava, porém a pintura era a sua motivação. Se mostrava obcecado pela sua pintura autônoma, que poderia se expressar por si mesma.

Em 15 de outubro de 1906, enquanto pintava ao ar livre, foi surpreendido por uma tempestade e o encontraram inconsciente.

Nos dias seguintes, próximo a sua morte, ainda continuou a pintar no jardim de sua casa em Aix.

Paul Cézanne morreu no dia 22 de outubro de 1906 e sua esposa e filho não chegaram a tempo para seu enterro. O artista morreu junto a companhia de seus quadros, solitário, como tinha sido em grande parte de sua vida.

” O desenho e a cor não são distintos, porque tudo na natureza é colorido. À medida que se pinta, desenha-se; quanto mais a cor harmoniza, mais o desenho se torna preciso. Quando a cor atinge a riqueza, a forma encontra sua plenitude”. Paul Cézanne

Algumas de suas obras

collection-item-img
O negro Cipião – 1867 – Óleo sobre Tela 107 x 83 cm – Museu de Arte de São Paulo (Brasil)
Pomar às avessas
A Dolorosa ou A Madalena – 1867 – Óleo sobre Tela 165 x 124 – Musée d’Órsay em Paris
collection-item-img
Paul Alexis lê um manuscrito a Zola – 1869-1870 – Óleo sobre Tela 130×160 – Museu de Arte de São Paulo – Brasil
Paul Cézanne French 1839–1906 Still life with apples 1895–98 oil on canvas 68.6 x 92.7 cm The Museum of Modern Art, New York Lillie P. Bliss Collection, 1934 Digital Image © The Museum of Modern Art, New York, 2018
Maçãs e Laranjas – em torno de 1899 – Óleo sobre Tela 74x93cm – Museu D’Órsay-Paris

Cézanne pintou em torno de 180 naturezas mortas, os bodegóns, porém mais ao final de sua vida eles tornariam o seu tema principal de sua arte.

“Não se trata de de pintar a vida, trata-se de se fazer viva a pintura”. Paul Cézanne

Davis Sylvester comentou em 1962 sobre Maçãs e Laranjas de Paul Cézanne “Uma maçã ou uma laranja era provavelmente o melhor para ele. Em primeiro lugar, porque, ao trabalhar desse modo, Cézanne podia colocar a fruta a seu gosto; depois porque o motivo não continha um valor emocional suficientemente forte para impedi-lo de se expressar suas próprias sensações; e, finalmente, porque elementos dessa natureza oferecem, com mais facilidade do que uma paisagem, a possibilidade de encontrar as grandes formas nítidas e regulares – como as que ocorrem na arquitetura – necessárias para a criação de uma arte monumental”. p. 78

Por que Cézanne é considerado o pai da modernidade na pintura ?

Paul Cézanne considerava que havia um outro mundo além daquele que costumamos a ver e que deveríamos olhar com novos olhos. Assim ele deixa de respeitar as regras das perspectivas originais e acadêmicas, bem como as cores originais.

Embora ele tenha sido mais reconhecido, em torno de 1911, cinco anos após a sua morte, pode-se pensar que sim ele conseguiu atingir o seu desejo que era de criar algo original e que suas telas pudessem um dia serem expostas em vários museus.

Entre suas pinturas de paisagens, retratos e natureza morta ele dizia que:

“O mesmo assunto visto de um ângulo diferente oferece um tema de estudo do maior interesse e tão variado que poderia me ocupar dele durante meses, sem mudar de lugar, inclinando-me ora mais à direita, ora mais à esquerda”. Paul Cézanne

Enfim gente, Paul Cézanne foi o grande responsável da transição entre o impressionismo e o cubismo. Um artista a frente de seu tempo. Ele mesmo chegou a dizer que, talvez, tivesse nascido numa geração anterior da qual deveria ter nascido.

Gosto de pesquisar sobre a vida e as obras dos grandes artistas, por através da arte, sem dúvida, é uma das formas para que se possa escolher para expressar aquilo que as palavras não conseguem, deixando com que a singularidade de cada artista seja respeitada.

Se gosta de assuntos sobre artes, poderá dar uma olhadinha nesses outros posts que trouxe por aqui no blog:

Van Gogh – biografia e sua preferência pela cor amarela

Picasso – Biografia, obras e causa morte de Casagemas

Quem foi Édouard Manet? Um resumo de sua biografia

Henri Matisse – sua vida e sua obra

Thomas Moran – pintor de paisagens americanas

Daniel Ridgway Knight Cavaleiro – O pintor das mulheres e das flores

Botero – um artista colombiano que retrata seu país com seus personagens “gordinhos”.

Quem foi Camille Pissarro nas artes?

Biografia, obras e frases do gênio Salvador Dalí

Artes – Daniel J. Keys

22 lindas obras do artista George Dunlop Leslie

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço. Se cuide, a pandemia ainda não acabou.

Referências:

https://www.google.com/search?q=quadro+de+Cezanne+Achille+Emperaire&rlz=1C5CHFA_enUS856US856&sxsrf=ALeKk03muoK8bmLVa8A1VROsqBdMO9jVaA:1604729845500&tbm=isch&source=iu&ictx=1&fir=lUgt4AW5z2RzdM%252C_ppa9

https://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_C%C3%A9zanne

https://www.gazetadopovo.com.br/mundo/new-york-times/madame-cezanne-um-misterio-de-muitas-faces-egvjqz9xev0ioyj5ieylpfnta/

Paul Cézanne/ Coleção Grandes Mestres da Pintura – Volume 2 – Coordenação e organização Folha de São Paulo, tradução: Martin Ernesto Russol – Barueri SP – Ed. Sol 90, 2007.