Ferdinand de Saussure x Lacan

Oi Gente

Hoje trago para vocês um pouco de Ferdinand de Saussure, filósofo e linguista suíço, o qual  é considerado o fundador da linguística moderna e foi a partir dos seus ensinos que Lacan estudou a estrutura da linguagem…

 

Ferdinand de Saussure nasceu em 1857 e faleceu em 1913,   foi professor da Universidade de Genebra sendo a sua obra-prima o Curso de Linguística Geral, editada aqui no Brasil pela Cultrix. Produziu uma obra muito consistente que foi debatida pelos diversos campos do conhecimento, entre eles Semiótica, a Antropologia e a Psicanálise.

Lacan nasceu em 1901 e faleceu em 1981 “Lacan elevou a psicanálise novamente ao patamar que ela tinha ao ser criada por Freud, por isso seu ensino produziu o efeito de transmissão que teve em todo o mundo. Por isso, o seu nome ficou doravante associado intimamente ao do mestre Vienense”, Sigmund Freud.

Você pode estar se perguntando mas o que um tem a ver com o outro?

Lacan lê Freud, segundo Coutinho Jorge, por meio da ótica de Saussure e “evidencia que ambos trilharam caminhos que se cruzavam em pontos essenciais. Saussure ajudou Lacan a compreender a estrutura do inconsciente em sua relação com a linguagem, inconsciente que foi desvelado por Freud em alguns de seus livros inaugurais (sonhos, Chistes e Vida Cotidiana).”

Foi a partir dai então que Lacan construiu sua teoria entre a linguagem e o inconsciente, onde passou a ser conhecida como a Lógica do Significante.

É de Lacan a famosa afirmação de que “O inconsciente é estruturado como uma linguagem”, afirmação essa feita na década de 60. E é essa a ideia central das teorias lacanianas. Assim Lacan considerava a linguagem o decodificador do inconsciente.

Foi através da relação do inconsciente com a linguagem que Lacan mapeou as mais diferentes questões trazidas por Freud com novos subsídios e o ponto teórico nuclear que Lacan construiu são os três registros que constituem nosso aparelho psíquico, os quais estavam apresentados em Freud ao longo de sua obra, embora não nomeados: o real, o simbólico e o imaginário. Digamos que Lacan nomeia de modo novo aquilo que se encontra na obra freudiana e tal nomeação produz uma mudança radical em nossa compreensão.” (Coutinho Jorge).

Quando Lacan dizia que a linguagem decodificava o nosso inconsciente, não era simplesmente da fala simples mas quando o sujeito discursa também através dos atos falhos (quando você fala ou solta algo em sua fala que não queria falar, ou que nem você mesmo sabe porque falou, é o inconsciente falando por você), dos relatos dos sonhos e de qualquer outra forma de fala espontânea.

Em 1957 em uma entrevista a uma revista francesa, Lacan descreve que “A Psicanálise não é uma exploradora de continentes desconhecidos ou de grandes profundidades, é uma linguista: ela aprende a decifrar a escritura que está ali, sob seus olhos, ao alcance do olhar de todos. Mas permanece indecifrável caso não se conheça sua lei, sua chave”.

Assim a psicanálise tem como a sua maior ferramenta de trabalho a fala do sujeito. É pela fala que o psicanalista poderá desenvolver as teorias freudianas e possibilitar ao sujeito o tratamento de seu sofrimento.

Por isso gente, quando for a um psicanalista  ou a um psicólogo fale de tudo o que tiver vontade sem se preocupar naquele momento se está falando certo ou errado. Não existe certo ou errado, existe você como ser único nesse Universo que precisa ser um sujeito único por você mesmo.

Era isso por hoje.

Um abraço.