Visita ao Museu de Freud em Londres

Oi Gente

Hoje venho dividir aqui com você como foi a minha visita ao Museu de Freud em Londres, no início de julho de 2018. Adoro visitar museus e esse, especificamente, foi um daqueles que tinha muito interesse em visitar. Saiba um pouco sobre ele por aqui…

 

Passamos dois dias em Londres e tinha como objetivo visitar, dessa vez, o Museu de Freud. Com endereço na mão nos dirigimos até lá de taxi, onde passamos um bom tempo conhecendo em detalhes a última morada de Sigmund Freud. Não preciso nem dizer que adorei. Ler sua biografia e poder visitar pessoalmente cada detalhe do que apenas tinha lido, foi para mim um momento único. 

 

As informações que trago aqui para você é uma tradução do folder que recebi no Museu, onde se pode ter uma ideia do que se encontra por lá. Procurei fazer várias fotos, as quais vou colocando abaixo, intercalando com o texto e, ao final, um pequeno vídeo. ok?

O Museu de Freud em Londres

Foi nessa casa que Sigmund Freud passou seu último ano de vida. Ele mudou-se para essa casa em 27 de setembro de 1938 e viveu aqui até sua morte, aos 83 anos, em 23 de setembro de 1939.

 

Sua esposa Martha continuou vivendo nessa casa, com sua cunhada Minna Bernays, sua filha Anna e sua empregada Paula Fichti (uma fiel empregada que trabalhou na familia desde 1929. Apesar de não ser judia, acompanhou a família Freud até Londres e permaneceu até a morte de Anna Freud, em 1982, quando retornou a Austria).  Mas tarde Dorothy Burlingham, amiga de Anna Freud, também veio morar na casa. A casa foi ocupada até a morte de Anna Freud em 1982. De acordo com o seu desejo, a casa se tornou um Museu após sua morte e foi aberto para o publico em julho de 1986.

 

Por que Freud deixou sua casa em Viena, onde morou por 47 anos?

Freud veio a Londres como refugiado do Nazismo. Na Alemanha os trabalhos de Freud e as publicações de seus companheiros psicanalistas foram queimados em 1933 e, durante os anos seguintes, a maioria dos membros da comunidade predominantemente psicanalistas judeus da Alemanha e Austria também emigraram.  Entretanto Freud recusou inicialmente sair da Austria até o momento em que a Austria foi anexada a Alemanha, em 1938, quando sua familia foi assediada pelos nazistas Freud se muda de seu endereço Berggasse 19, em Vienna, onde ali viveu em sua casa durante 47 anos.

 

Em 06 de junho ele chega em Londres e alugou uma casa na rua 39 Elsworthy Road. Em 27 de setembro de 1938 ele finalmente se mudou para sua própria casa, onde hoje se encontra o Museu, no endereço 20 Maresfield Gardens. Aqui seu filho Ernst e sua empregada Paula Fichti  redecoraram para ele da mesma forma como a que ele trabalhava em Viena.

 

Nos últimos 16 anos de sua vida Freud sofreu com câncer de palato. Ainda assim ele continuou seu trabalho: Na Inglaterra e completou  Moisés e Monoteismo e iniciou seu último trabalho inacabado, Esboço de Psicanálise. Freud manteve sua pratica e recebeu um número de pacientes para analise nesse endereço Maresfield Gardens.

 

A casa é dividida em dois pisos, como um sobrado, com um pequeno jardim na frente e um maior nos fundos.

 

 

O Andar Térreo do Museu

A Conservatório na parte do edifício foi bem sucedida; olha para o jardim e tem um telhado projetado pelo filho arcquiteto de Freud, Ernst. Na frente desde é a sala de jantar que contém mobiliário austríaco pintado  que veio de Anna Freud e de Dorothy Burlingham. Também nessa sala está uma pintura de lembranças de algumas regiões alpinas onde Freud passava as férias, caminhando pelos campos que ele amava.

 

A sala de  Estudos e a Biblioteca foram preservados por Anna Freud após a morte do pai. A sala contém o divã analítico original trazido de Berggasse 19, no qual os pacientes se reclinariam confortavelmente, enquanto Freud, fora da vista na poltrona verde, ouvia sua “associação livre”. Eles foram solicitados a dizer tudo o que lhe veio à mente sem examinar ou selecionar informações conscientemente. Esse método tornou-se um alicerce sobre o qual a terapia psicanalítica foi construída.

A sala de estudos também estão saturados de antiguidades da Grécia antiga, Roma, Egito e Oriente. Freud visitou muitos sítios arqueológicos (embora não o Egito), mas a maior parte da coleção foi adquirida de revendedores em Viena. Ele confessou que sua paixão por colecionar era a segunda em intensidade, perdendo apenas para seu vício em charutos. No entanto, a importância da coleção também é evidente no uso da arqueologia por Freud como uma metáfora para a psicanálise. Um exemplo disso é a explicação de Freud para um paciente de que o material consciente “se desgasta” enquanto o inconsciente é relativamente imutável: ” ilustrei minhas observações apontando para os objetos antigos do meu quarto. Eles eram, na verdade, eu disse, apenas objetos encontrados em um túmulo, e seu enterro foi a preservação deles “.

A biblioteca do 20 Maresfield Gardens contém todos os livros que ele escolheu trazer de Viena. Abrange uma vasta gama de assuntos: arte, literatura, arqueologia, filosofia e história, bem como psicologia, medicina e psicanálise. A estante atrás da mesa de Freud contém alguns de seus autores favoritos: não apenas Goethe e Shakespeare, mas também Flaubert, Heine e Anatole France. Freud reconheceu que poetas e filósofos haviam adquirido insights sobre o inconsciente que a psicanálise buscava explicar sistematicamente. Além dos livros, a biblioteca contém várias imagens, como Édipo e o Enigma da Esfinge e A Lição do Dr. Charcot, além de fotografias de Martha Freud, Lou Andreas-Salomé, Yvette Guilbert, Marie Bonaparte e Ernst von Fleischl. house, onde Freud completou sua vida e obra, agora oferece uma visão única da fundação da psicanálise.

Mais algumas fotos dessa parte do Museu

A Gradiva

Na saída do Museu, você encontrará um espaço onde poderá comprar algumas lembranças, quadros e livros sobre o Museu e a história da Psicanálise. Um lugar bem organizado e com ótimo atendimento. 

Aos colegas de profissão sugiro reservar um tempinho para passar por ali, para adquirir alguns livros e objetos de decoração para seu consultório muito legais. Amei.

O Primeiro Piso

Subindo as escadas você encontrará a Sala de Anna Freud, sala ao lado onde é exibido um filme sobre Freud e sua história com imagens originais da época, bem como quadros da família no hall.

No hall apresenta dois retratos de Sigmund Freud um por Ferdinand Schmutzer, o outro por Salvador Dali. O esboço original de giz e carvão de Schmutzer foi feito em 1926 e uma gravura tirada dele está agora na biblioteca, Freud elogiou o retrato, escrevendo em uma carta de agradecimento a Schmutzer que “isso me dá muito prazer e eu deveria realmente agradecer-lhe pelo problemas que você teve em reproduzir meu rosto feio, e repito minha segurança de que só agora me sinto preservado para a posteridade ”.

Freud por Salvador Dali

A Sala de Anna Freud

A Sala Anna Freud descreve aspectos de seu trabalho e caráter. A sala contém alguns móveis de seu escritório (incluindo seu divã analítico). Anna Freud era uma tecelã afiada e uma entusiasta de tricô, esta última atividade sendo aquela que praticou analisando pacientes. Ela nasceu em 1895, a sexta e mais jovem filha de Sigmund Freud e Martha Freud. Em 1914, ela começou a treinar como uma psicanalista leiga, recebendo sua própria análise do pai. No entanto, a curta carreira docente de Anna Freud forneceu uma base para seu trabalho pioneiro no campo da psicologia infantil: sua introdução à Técnica de Análise Infantil foi publicada em 1927 e seu influente O Ego e os Mecanismos de Defesa surgiram em 1936. A partir de 1923 ela também se tornou secretária e embaixadora do pai. A exposição na sala ilustrou a vida e obra de Anna Freud em Viena e Londres. Ela foi assistida por Dorothy Burlingham, uma analista que viveu em 20 Maresfield Gardens até sua morte em 1979.

 

 

 

 

 

 

 

 

Abaixo fiz um vídeo que postei no meu canal no Youtube. Caso queira dar uma olhadinha, fique a vontade. Se gosta de vídeo te convido a se inscrever no meu canal do youtube, onde tenho postado alguns vídeos de lugares e viagens que tenho feito.

Já visitei também a casa do Jung na Suiça. Clique aqui caso queira dar uma olhadinha.

Maiores informações sobre o Museu de Freud em Londres você poderá acessar esse site aqui. ok?

Enfim gente, adoro visitar museus e tem alguns no blog caso você também curta conhecer, vou deixar alguns links abaixo, como sugestão. Mas, confesso, que como disse no início essa foi, sem dúvida, uma visita especial pois estava há muito tempo querendo passar por lá.

O famoso Museu Têxtil de St. Gallen na Suíça

Londrina e seu Museu Histórico

Ferryboat Berkeley de 1898 – Museu Marítimo de San Diego

Museu Ballenberg – um museu a céu aberto na Suiça – na cidade de Brienz

Museu de Johnny Cash em Nashville em Tennessee – EUA

Museu Maritimo San Diego – Submarino Americano “Dolphin”

Museu da Coca-Cola (World of Coca-Cola) em Atlanta – EUA

Itália – Museu della tortura em Volterra na Toscana

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.