Maria Antonieta – Vida e Morte de uma rainha

Oi Gente

O objetivo do post é dividir aqui com você um pouco sobre a vida de Maria Antonieta, que aos 15 anos deixou seu país na Austria para ir ao encontro de Louis Auguste, o futuro rei da França, fato acontecido em 21 de abril de 1770. Saiba um pouco sobre ela por aqui…

 

A história de algumas mulheres que passaram por esse mundo me chamam a atenção e gosto de pesquisar a respeito, pois embora com todas as dificuldades e opressões impostas as mulheres, verificamos algumas que reagiram e, a seu modo, tentaram se posicionar naquilo que desejava.

O texto abaixo é uma tradução de um pequeno livro sobre quem foi Maria Antonieta de Dana Meachen Rau.

A viagem de Maria Antonieta da Áustria a França

Maria Antonieta jovem – via Pinterest

Foram duas semanas e meia de viagem, entre a Austria e a França, acompanhada por cabeleireiros, chefs e outros atendentes durante essa jornada de carruagem.

Camponeses aplaudiram ao longo da estrada entre Viena, Áustria e Estrasburgo, França. Eles esperavam vislumbrar a jovem futura noiva.

Quando ela entrou no prédio, ela teve que tirar todas as suas roupas austríacas. Ela recebeu um vestido francês feito de tecido dourado. Ela não tinha permissão para trazer nada da Áustria para a França, nem mesmo Mops, seu pequeno cão pug.

Em uma cerimônia oficial, ela foi entregue aos franceses. Quando ela abriu as portas do lado do prédio que dava para a França, multidões de nobres a receberam. Maria Antonieta chorou, mas tentou ser corajosa.

A cidade inteira de Estrasburgo realizou um feriado em homenagem a Maria Antonieta. Uma procissão francesa de carruagens a levou para seu novo marido e sua nova vida no grande palácio de Versalhes. 

A Arquiduquesa

Maria Teresa da Áustria –  via Pinterest

O imperador Francisco e a imperatriz Maria Teresa da Áustria governaram uma grande área da Europa central. Maria Teresa, que herdara o trono do pai, era uma mulher forte e determinada. Na noite de 2 de novembro de 1755, ela interrompeu seus relatórios e outros documentos do governo quando suas dores de parto ficaram muito fortes.

À noite, ela deu à luz Maria Antonia Josepha Joanna. O imperador Francisco anunciou a chegada de sua filha aos membros de sua corte real reunidos em seu palácio em Viena. Maria Antonia ingressou em uma casa já cheia de arquiduques e arquiduquesa – quatro irmãos e sete irmãs. Outro irmão nasceria no ano seguinte! Era tradição real dar a todas as arquidiocesanas o primeiro nome “Maria”. As meninas eram chamadas pelo segundo nome, então os pais de Maria Antonia a chamavam de Antonia.

Schunbrunn palace – via Pinterest

A família passou os invernos em seu palácio no coração da cidade. Na primavera e no verão, porém, eles se mudaram para outro palácio enorme a cerca de oito quilômetros de distância. Decorado com espelhos, tetos pintados e tapeçarias nas paredes, este palácio tinha muitos quartos para cada criança. Era cercado pelos jardins e bosques de um parque de quinhentos acres. Havia até um zoológico com camelo, puma e rinoceronte.

Até a Áustria tinha um imperador e uma imperatriz. Maria Teresa era a governante. O marido, Francis, simplesmente a ajudou. A imperatriz Maria Teresa estava muito ocupada para cuidar dos filhos. Então, ela contratou governantas para cuidar delas e tutores para ensiná-las. Como realeza, os arquiduques e arquiduques viveram uma vida fascinante. Por diversão, eles passaram horas montando cavalos e caçando. Durante os frios invernos austríacos, eles andavam de trenó em forma de cisne pela neve.

Antonia passou mais tempo brincando nas dependências do palácio do que prestando atenção em suas lições. Ela tinha uma voz bonita e se apresentou em concertos em família, cantando enquanto seus irmãos e irmãs tocavam a música. Em 1762, quando Antonia tinha seis anos, um músico especial visitou a família real em Viena. O nome dele era Wolfgand Amadeus Mozart. Mozart tinha a mesma idade que Antonia. As histórias dizem que o pequeno músico escorregou no chão bem polido do palácio. Quando Antonia o ajudou a levantar. Mozart declarou que queria se casar com ela.

O pai de Antonia, o imperador, morreu em agosto de 1765. Antonia tinha apenas nove anos de idade. A imperatriz, agora governando com seu filho mais velho, Joseph, teve um novo foco. Ela estava determinada a arranjar bons casamentos para as filhas. Na época, os casamentos reais eram muito importantes. Casais reais não se casaram por amor. Eles se casaram para fortalecer o vínculo entre dois países, para que os países se sustentassem, especialmente em tempos de guerra. Maria Teresa queria especialmente casar uma de suas filhas com Louis Auguste, o futuro rei da França.

Luis XVI – via Pinterest

A Áustria e a França tinham um histórico de conflitos. Mais recentemente, no entanto, os dois países estavam em paz. Maria Theresa pensou que um casamento entre sua própria família – os Habsburgos – e a família francesa Bourbon fortaleceria os laços entre eles. Antonia foi a melhor escolha para o casamento. Ela era a mais próxima em idade do dauphin.(Dauphin se refere ao filho mais velho do rei da França).

Os franceses concordaram com o casamento, então a imperatriz começou a preparar sua filha. Ela contratou a professora de balé para ajudar Antonia a se mover com mais graça. Um capanga endireitou os dentes tortos de Antonia com fios. Uma cabeleireira de Paris arrumou o cabelo da maneira mais moderna.

A França também enviou um tutor. Abbé de Vermond, ao palácio imperial em 1768. Quando Vermond conheceu Antonia, ele observou. “Ela tem uma figura muito graciosa; mantém-se bem; e se … ela crescer um pouco mais, ela possuirá toda a boa qualidade que alguém poderia desejar em uma grande princesa”. A arquiduquesa de treze anos de idade era certamente encantadora, com seus olhos azuis, cabelos loiros e pele branca e amarelada. No entanto, Vermond logo descobriu que sabia muito pouco. Seus tutores a deixaram fazer o que quisesse. Então Vermond agora fez Antonia estudar religião, literatura francesa, história francesa e a língua francesa. Antonia estava se transformando em uma bela jovem, digna de ser a nova princesa francesa.

Um Casamento Real

Casamento de Luis XVI e Maria Antonieta – via Pinterest

As cerimônias oficiais do casamento começaram em Viena, em 15 de abril de 1770. O embaixador francês chegou. Ele representou a família real Francesa. Quem ficou em seu palácio em Versalhes. Nos dias seguintes, a família imperial austríaca realizou festas e bailes para a filha. Eles realizaram uma cerimônia para representar e celebrar o próximo casamento, mesmo que Louis Auguste ainda estivesse na França. Antonia agora era chamada pela versão francesa de seu nome – Maria Antonieta.

Em 21 de abril, na manhã fria, Maria Antonieta entrou em sua carruagem de ouro. Sua mãe se despediu: “Adeus, minha filha mais querida, uma grande distância nos separará … Faça tanto bem ao povo francês que eles podem dizer que eu lhes enviei um anjo”.

A longa procissão de cinquenta e sete treinadores viajou pelo centro Europa da Áustria para a cidade de Estrasburgo, França. Demorou mais de duas semanas, com cerca de oito horas de viagem por dia. Seus atendentes tentaram garantir que Maria Antonieta estivesse à vontade. Ela passava as noites em mosteiros, onde viviam padres chamados monges, e também em palácios. Seus anfitriões organizaram concertos e performances. Os habitantes da cidade se apressaram em vê-la. A dauphine (futura rainha) estava exausta de viajar, mas ela teve que agir brilhante e feliz por seus admiradores.

A procissão, finalmente, chegou ao Rio Reno na fronteira entre as terras da Áustria e da França. Com lágrimas nos olhos, Maria Antonieta se despediu de seus viajantes. Ela entrou no lado austríaco de um edifício especialmente construído em uma ilha no reno apenas para a ocasião. Está decorado com tapetes, tapeçarias e móveis emprestados de famílias ricas próximas. Ela saiu do outro lado para conhecer todos os seus novos atendentes franceses. Estrasburgo a recebeu com sinos tocando e fogos de artifício. Ela colecionou as flores que as jovens jogaram em seu caminho.

Louis XV – via Pinterest

Outra procissão de carruagens a levou outras 250 milhas até onde o rei Luis XV e seu neto, Louis Auguste, a aguardavam em uma estrada tranquila na floresta. Maria Antonieta saiu da carruagem e correu para o rei. Ela fez uma profunda reverência. O rei Luís XV era real e bonito. Ele a ajudou a levantar e beijou suas bochechas em boas-vindas.

Em seguida, Maria Antonieta enfrentou o delfim. Comparado com o rei. Louis Auguste era gordinho, desajeitado e do céu. Eles compartilharam um pequeno beijo. Eles eram estranhos para não se casar. Na manhã do dia do casamento, 16 de maio de 1770, Maria Antonieta chegou ao palácio de Versalhes. Mal teve um momento para apreciar o esplendor de sua nova casa. Os atendentes a receberam com presentes do rei – jóias, pérolas, um leque de diamantes e pulseiras com suas iniciais. Eles começaram a tarefa de prepará-la para o casamento, vestir Marie Antoinette e pentear o cabelo levou três horas.

No seu vestido branco, Maria Antonieta juntou-se ao dauphin. Ele estava vestido com um terno dourado. Eles foram para a Capela Real. Aqui, eles se ajoelharam no altar e se tornaram homem e mulher. Cerca de seis mil pessoas foram convidadas para o casamento. Eles assistiram a família real desfrutar de um banquete na recém-construída Opera House em Versalles. Havia comida nas ruas e fontes estavam cheias de vinho. As celebrações continuaram durante as próximas duas semanas com shows acrobáticos, bolas mascaradas e fogos de artifício. Toda a França comemorou o casamento do jovem casal.

Tentando se encaixar

O palácio de Versalhes estava além da imaginação. Era ricamente decorado com ouro e mármore, espelhos e milhares de janelas em arco. Pinturas nos tetos e nas paredes, esculturas e tapeçarias adornavam os quartos e paredes. Os jardins eram igualmente chiques. Um grande corpo de água, chamado Grand Canal, cobria apenas uma pequena parte dos terrenos de dois mil acres. Ao longo da história francesa, o monarca e sua família viveram em Paris, capital da França. O palácio da cidade foi chamado de Tuileries (TWEF-luh-ree). Mas Luís XIV (décimo quarto) construiu um novo palácio na vila de Versalhes, a cerca de 20 quilômetros de distância. Ele se mudou para lá em 1682.

O palácio era o lar da família real francesa, bem como de famílias ricas e importantes nobres. O palácio de Versalhes também foi a sede do governo francês. Todos os dias, cerca de dez mil pessoas percorriam seus corredores. Multidões que visitavam o palácio podiam até comprar souvernirs no pátio. Maria Antonieta tinha seu próprio quarto, incluindo uma sala para guardas, uma sala para eventos públicos, uma sala para suas damas de companhia e um quarto de dormir. Ela certamente estava acostumada à vida real. Mas ela não estava acostumada a estar em constante exibição como a futura rainha. Ela tinha que respeitar as regras e os costumes da corte francesa. E havia muitas regras. A realeza francesa seguiu orientações sobre como falar com as pessoas, como se vestir e como comer.

Cada dia seguia uma programação estrita. Maria Antonieta acordava entre nove e dez. Na maioria das manhãs, ela toma café da manhã enquanto toma banho, usando um vestido de flanela por modéstia enquanto está na água. Então ela se vestiu. Isso foi chamado de alavanca (luh-VAY), que significa “levantar-se”. A alavanca era como uma atração turística. Homens e mulheres entrariam em seu quarto para vê-la se arrumar – não apenas nobres, mas também pessoas comuns, desde que estivessem bem vestidas. “Coloquei minha roupa e lavo as mãos na frente do mundo inteiro”, ela escreveu em uma carta para sua mãe. Os homens então saíam e as atendentes de Maria Antonieta terminavam de vesti-la na frente de seu público feminino.

Quando terminava de se vestir, Maria Antonieta participava de uma missa católica na Capela Real. Missa diária seguida de jantar público à tarde com o marido. Multidões pareciam assistir a um show. Ela visitava com o dauphin ou com suas três tias (irmãs do rei Luís XV) e participava de aulas com seu tutor, Vermond. Após as aulas de música e o jantar às nove, era hora do puma (koo-SHAY), que significa “ir para a cama”, também visto por quem quisesse assistir. Ela finalmente se enfiava  em suas cobertas às 23h.

Maria Antonieta teve dificuldade em se adaptar a esse estilo de vida muito público. E mesmo que sua vida estivesse em exibição, ela frequentemente se sentia sozinha. Seu cachorro, Mops, lhe fora enviado em Versalhes. Mas até o cachorro tinha pouco conforto. As velhas tias de seu marido eram críticas e severas. Seus atendentes a corrigiam e a incomodavam. Todos a observavam atentamente para ver se ela cometeu um erro. Ela era repreendida se quebrasse as regras. Além disso, alguns membros do tribunal não gostaram de Maria Antonieta porque ela era austríaca. Além de todas as novas regras, Maria Antonieta teve que se acostumar com o novo marido. Embora ela e Louis Auguste tivessem idade próxima, eram opostos. Ela era divertida e despreocupada. Ela adorava estar perto de pessoas e participar de festas. Ele era grande e desajeitado. Ele era tímido e muitas vezes triste. Ele preferia passar um tempo sozinho, caçando ou lendo livros.

A mãe de Maria Antonieta morava longe, mas estava ciente de tudo o que acontecia na vida da filha. O embaixador austríaco na França, o Conde Mercy e Vermond agiram como seus espiões. Maria Antonieta confiava neles e relatavam todos os detalhes à imperatriz. Em cartas regulares, a imperatriz repreendia a filha. Ela desejava que Maria Antonieta prestasse mais atenção ao marido e passasse menos tempo nas festas. Maria Antonieta sentiu pressão da mãe. “Eu amo a imperatriz”, escreveu ela, “mas tenho medo dela, mesmo à distância”.

Em junho de 1773, Maria Antonieta começou a se sentir mais à vontade na França. Após três anos de casamento, ela foi apresentada ao povo de Paris. Ela fez uma entrada oficial na capital. Os parisienses deram as boas-vindas a Louis Auguste e Maria Antonieta com trombetas, canhões e aplausos. O governador deu a eles as chaves da cidade.

Maria Antonieta ficou feliz que o público parecesse gostar dela. Ela ficou muito satisfeita com “a ternura e a ansiedade das pessoas pobres, que apesar dos impostos que as oprimiam, foram levadas com alegria ao nos ver”. As pessoas comuns esperavam um futuro melhor. Eles esperavam o fim de sua província, quando Louis Auguste e Maria Antonieta se tornaram rei e rainha.

Vivendo como uma rainha

Na primavera de 1774, o rei Luís XV ficou doente. Ele estava com febre e irrompeu em erupção. Ele teve varíola. Na época, não havia cura para esta doença. Em menos de duas semanas o rei estava morto. A morte do rei Luís XV significava que era hora de Louis Auguste avançar para sua nova posição. Ele foi coroado rei da França em uma cerimônia em 11 de junho de 1775.

Maria Antonieta estava orgulhosa ao vê-lo. “Não consigo conter a minha emoção”, escreveu ela, “lágrimas rolaram pelo meu rosto, apesar de mim mesma, e as pessoas aceitaram gentilmente”. Louis Auguste tornou-se Louis XVI (o décimo sexto). Ele tinha apenas vinte anos – e Maria Antonieta, dezenove – quando se tornaram rei e rainha.

A igreja do rei estava preocupada que Luís não estivesse preparado para governar. Eles não sabiam o que esperar da rainha. De acordo com as leis francesas, as rainhas não tinham poder. O trabalho de Maria Antonieta era dar um bom exemplo para o povo francês. Ela deveria ser graciosa e gentil, obedecer ao marido e ter filhos. Mas a mãe de Maria Antonieta, a imperatriz Maria Teresa, queria que a filha mantivesse fortes os laços entre a Áustria e a França.

A imperatriz insistia em saber tudo o que acontecia em Versalhes. Ela fez com que sua filha tivesse influência sobre o rei. Ela queria que Maria Antonieta ajudasse a tomar decisões políticas. Maria Antonieta, no entanto, queria viver do jeito que ela queria. Ela não estava interessada em seguir os costumes de outras rainhas francesas. E ela tentou ouvir a mãe. Como rainha, agora ela podia fazer o que quisesse. E ela queria se divertir.

Era fácil ser mimada em Versalhes. Sua casa (todas as pessoas que a atendem) totalizava cerca de quinhentas pessoas! Ela tinha damas para ajudá-la a se vestir, pessoas para servir sua comida e homens para cuidar de seus cavalos. Ela até tinha um portador de trem cujo trabalho era segurar as costas do vestido no chão quando ela andava.

Maria Antonieta e a Moda

A França era conhecida como o centro da moda do mundo, e Maria Antonieta estabeleceu as tendências da moda. A Senhorita  Rose Bertin era sua costureira pessoal. Ela vinha aos aposentos da rainha cerca de duas vezes por semana. Ela fez vestidos com blusas justas e saias largas em cetim, veludo e tecido rico de brocado. Eles foram decorados com jóias, pérolas, fitas e rendas. O guarda-roupa da rainha encheu três quartos inteiros!

A jovem interessada também convidou os joalheiros reais para mostrar suas últimas criações. Ela prefere comprar diamantes de todos os tipos – inseridos em anéis, como colares ou brincos. Um conjunto de brincos de diamante pendia como os lustres do palácio. Seu cabeleireiro pessoal, Léonard Autié, também foi ao palácio.

O uso das perucas chamadas de Pufes

Os nobres franceses usavam perucas. Isso era um sinal de sua alta posição, mas Maria Antonieta levou as perucas a novas alturas. O penteado mais famoso foi chamado de pufe. Além de estar na moda, os pufes também contavam histórias.  Alguns realizavam cenas da natureza, com pequenas figuras de agricultores ou animais. Alguns tinham partes móveis, como pássaros batendo.

Após uma vitória francesa no mar contra os britânicos, Maria Antonieta usava um modelo de navio no cabelo. Ela também decorou a cabeça como uma horta, com rabanetes, cenouras e repolho. Não importava o quão bobo pareciam, todos copiavam o penteado da rainha.

Pufes podem ter sido elegantes na época, mas não são sensíveis ou confortáveis. A gaiola de cabelo era bastante pesada. No teatro, os pufes bloqueavam os espectadores sentados atrás deles. Nas carruagens, as mulheres tinham que se sentar no chão, em vez do assento da carruagem, porque seus pufes atingem o teto. Dormir era difícil – os pufes tinham que ser embrulhados como um pacote, e o usuário poderia até ter que dormir sentado. O espaço escuro e quente na cabeça de uma mulher embaixo de um pufe era o lugar perfeito para os insetos e piolhos viverem. Algumas senhoras usavam ferramentas de braços compridos para passar por baixo das perucas e coçar o couro cabeludo.

Maria Antonieta se cercava de jovens e teve um círculo próximo de favoritos. O rei costumava ir cedo para a cama, mas Maria Antonieta e suas amigas jogavam a noite toda ou corriam para festas noturnas em Paris. Toda segunda-feira à noite, ela tratava os convidados com bolas mascaradas. Realizava festas de caça e jogava bilhar e cartas.

Enquanto Maria Antonieta ria, paquerava e criava suas próprias regras, ofendia muitas famílias nobres importantes. A realeza francesa sempre teve um estilo de vida extravagante, mas a corte achou que Maria Antonieta não era séria o suficiente para ser rainha. Mas Maria Antonieta não mudou de atitude. Em vez disso, a jovem rainha encontrou um lugar para escapar desses olhos críticos. Uma casa menor e tranquila, chamada Petit Trianon (puh-TEE TREE-uh-nawhn), foi um presente de seu marido em 1775. Além das famílias nobres da corte, muitos franceses estavam começando a não gostar da nova rainha. Eles espalhavam fofocas e rumores sobre ela. Eles fizeram a roupa e o cabelo dela. Eles zombaram do dinheiro que ela gastava. Maria Antonieta continuou a fazer o que desejava. Afinal, ela era a rainha!

Alguns de seus sapatos

Maternidade

Todos na França estavam esperando Maria Antonieta se tornar mãe. A linhagem real de Bourbon precisava de um filho para assumir o trono após a morte do rei. Os franceses não apenas estavam zangados com ela por não ter um bebê, mas sua mãe também. a imperatriz continuou a enviar cartas a Maria Antonieta repreendendo. Ela até mandou o filho, o imperador Joseph, para conversar sobre a filha.

Para alívio de todos, Maria Antonieta finalmente ficou grávida. Em 20 de dezembro de 1778, o rei, a família real e uma multidão de convidados encheram seu quarto. A multidão assistiu à rainha de 23 anos dar à luz uma menina – não uma herdeira do trono. Muitas pessoas ficaram decepcionadas. Mas Maria Antonieta disse à sua filhinha Maria Therese, a quem chamavam Madame Royale: “Pobre garotinha, você não é o que se deseja, mas não é menos querida por isso. Um filho teria sido propriedade da Você será meu “. Na época do nascimento de Madame Royale, o rei e o governo francês estavam focados na América. As colônias de lá declararam independência da Inglaterra. Eles não queriam mais ser governados por um rei e lutaram contra a Inglaterra na Revolução Americana. O rei Luís XVI ficou do lado dos americanos. Isso levou a Inglaterra a declarar guerra à França. Muitos nobres franceses partiram para lutar na América. Com tanta atenção e dinheiro dedicado à guerra, porém, pouco foi deixado para os pobres da França.

Maria Antonieta não se preocupava com política, principalmente agora que era mãe. Ela tentou viver uma vida mais privada, passando muito tempo na Petit Trianon. A rainha se vestia com mais simplicidade, usando vestidos de tecido branco liso amarrados com uma faixa. Ela usava o cabelo solto e cobriu-o com um chapéu de palha. Ela criou uma pequena comunidade agrícola nos terrenos de Petit Trianon. Havia uma casa de família, um celeiro, um galinheiro, um moinho e chalés, além de vacas, ovelhas, cabras e aves. Foi criado para parecer como se estivesse lá há muitos anos. Ela contratou um fazendeiro, jardineiros e pecuaristas para cuidar dos campos e dos animais.

Maria Antonieta e suas amigas gostavam de viver o que consideravam uma vida simples em seu pretenso vilarejo. Ao mesmo tempo, pessoas comuns em aldeias reais da França sofreram e morreram de fome. Boatos e fofocas se espalharam quando Maria Antonieta passou tanto tempo longe do palácio. Os nobres estavam com inveja de não terem sido convidados para Petit Trianon. As pessoas ficaram com raiva por ela não usar mais vestidos feitos de seda francesa. Ela era a rainha francesa, afinal! Acima de tudo, apesar de as famílias reais terem feito isso há séculos, ficaram chateadas que Maria Antonieta gastasse tanto dinheiro que se sentiam pertencentes à França e ao seu povo! Mas o povo da França teve nova fé em sua rainha depois que ela teve outro bebê em 22 de outubro de 1781. Era um menino! Infelizmente, a mãe de Maria Antonieta, a imperatriz Maria Teresa da Áustria, morreu no final de 1780. Ela não viveu para ver sua filha finalmente dar à luz um filho. O rei e a rainha o nomearam Louis Joseph. O rei disse à esposa: “Madame, você cumpriu nossos desejos e os da França – você é mãe de um dauphin. Toda a França comemorou.

A linha Bourbon foi assegurada ainda mais quando Maria Antonieta deu à luz outro filho, Louis Charles, em 27 de março de 1785. Finalmente, Maria Antonieta cumpriu seu dever de rainha não apenas uma vez, mas duas vezes. Mas o apoio do povo não durou muito.

Escândalo e Sofrimento

Embora Maria Antonieta gozasse de maternidade, o povo da França continuou a encontrar razões para não gostar dela. O verão de 1785 trouxe um enorme escândalo. Tornou-se conhecido como o caso do colar de diamantes.

Um joalheiro da família real pediu à rainha que lhe pagasse um colar de diamantes grande e caro. Maria Antonieta não fazia ideia do que ele estava falando. O joalheiro disse que entregou o colar ao cardeal Louis de Rohan, um oficial da igreja, para apresentar à rainha. Maria Antonieta nunca pediu o colar. Ela não sabia nada sobre isso e estava convencida de que o cardeal Rohan estava tentando fazê-la parecer ruim. Ela mandou que o rei Luis prendesse ele.

Durante o julgamento, a história real saiu. Uma dama da corte havia falsificado um bilhete da rainha, pedindo a Rohan o colar. Quando Rohan deu para a dama, em vez de entregá-la à rainha, ela entregou ao marido. Ele, por sua vez, trouxe para Londres e vendeu os diamantes. O cardeal Rohan foi considerado inocente. Maria Antonieta não ficou feliz com o veredicto. Ela ainda queria que Rohan fosse punido. Então Louis o mandou embora do tribunal. Isso irritou famílias nobres que apoiaram o cardeal. Mesmo que Maria Antonieta nunca tivesse pedido o colar, ela ainda era vista como culpada aos olhos das pessoas. Ela enviou um homem inocente para longe.

A vida da rainha continuou mal. Em julho de 1786, ela deu à luz uma menina que morreu no verão seguinte. E o filho mais velho de Maria Antonieta, Louis Joseph, estava muito doente. O governo da França também não estava indo bem. Os altos custos do apoio à Revolução Americana, juntamente com os gastos do rei e da rainha, deixaram o país sem dinheiro. O povo da França ficou furioso. Eles colocaram muita culpa em Maria Antonieta. Os boatos se espalharam por ela em panfletos e panfletos. Cartuns brutos zombavam dela e a culpavam por todos os problemas do país. As pessoas assobiavam para ela em público. Ela descobriu ameaças à sua vida em placas perto de seus assentos no teatro.

Para piorar a situação, o verão de 1788 trouxe um clima terrível que resultou em uma colheita ruim. Os preços do pão aumentaram em todo o país porque não havia trigo suficiente. O verão rigoroso foi seguido por um inverno especialmente frio. Os pobres da França estavam morrendo de fome e morrendo. Eles começaram a questionar seu governo. Eles se perguntavam como o rei, a rainha e a nobreza poderiam continuar a ter festas tão sofisticadas e comer comida tão cara. A primavera finalmente chegou, mas não trouxe muito alívio. o doente Louis Joseph morreu em 4 de junho de 1789. Seu irmão mais novo, Louis Charles, era agora o delfim. O rei Luís XVI estava sob pressão para fazer algo pelo povo francês. Ele convocou uma reunião dos Estados Gerais em maio de 1789. Esse grupo representava as três partes da sociedade nobreza francesa, o clero (padres, bispos e cardeais) e as pessoas comuns. As pessoas comuns eram conhecidas como o Terceiro Estado. O General de Estado não concordou em como resolver os problemas da França. Cada ordem tinha um voto, que era injusto com o Terceiro Estado, que representava a maioria das pessoas. O terceiro Estado estava farto. Inspirados pela Revolução Americana, as pessoas comuns se levantaram e começaram uma revolução. Eles se separaram do Estado Geral para formar um novo grupo – A Assembléia Nacional. Eles se deram o poder de fazer leis. Não era isso que Luís XVI e Maria Antonieta queriam. Eles esperavam proteger a monarquia e o poder do rei. O rei Louis deixou que a Assembléia Nacional se reunisse, mas também construiu tropas contra eles.

Medo e pânico se espalharam pelas ruas de Paris. Em 14 de julho de 1789, uma multidão reuniu-se contra as tropas da nobreza. Eles atacaram a prisão da Bastilha, reunindo munições, libertando prisioneiros e deixando muitos mortos e feridos para trás. Logo, a revolta se espalhou para além de Paris. Camponeses estavam atacando a nobreza em todo o país. A Assembléia Nacional começou a escrever a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. O documento era como as Declarações de Independência dos Estados Unidos. Ele dava os mesmos direitos a todos, independentemente de sua classe social. Seria o começo de uma constituição – um conjunto de leis – para um novo governo que melhor representasse o povo. As relações entre a família real de Versalhes e o povo de Paris ficaram tensas.

O rei e a rainha temiam por sua segurança. Os parisienses suspeitavam que a realeza estivesse conspirando contra eles para proteger a monarquia a todo custo. Na manhã de 5 de outubro de 1789, as mulheres marcantes, servas e lavadeiras de Paris, preocupadas com suas crianças famintas, reuniram-se para marchar pelo nevoeiro e chover sobre Versalhes. As tropas da Guarda Nacional apareceram para ajudar a manter a ordem. A multidão de cerca de seis mil carregava armas, como forquilhas, vassouras e algumas armas.

Quando as mulheres chegaram ao palácio, enlameadas e cansadas da caminhada, exigiram comida do rei. Um pequeno grupo foi convidado a entrar no palácio, e Louis garantiu que daria comida para os pobres de Paris. Mas a multidão lá fora ficou mais ameaçadora. Louis e Maria Antonieta não conseguiram decidir o que fazer. Não havia como escapar além da multidão. Assegurada de que estariam a salvo, a família real foi para a cama. Mas por volta das quatro da manhã, algumas mulheres subiram as escadas em direção aos aposentos da rainha, matando dois de seus guarda-costas.

O rei Louis saiu para a varanda para tentar acalmar a multidão no pátio, mas eles exigiram ver a rainha. Bravamente, Maria Antonieta ficou sozinha diante da multidão uivante. Ela fez uma profunda reverência para mostrar respeito. A multidão gritou. “Para Paris! Para Paris!” Eles queriam que o tipo e a rainha se mudassem para a cidade para acabar com a separação entre a realeza em seu grande palácio e as pessoas que governavam. A multidão acompanhou a família real em uma longa procissão de carruagens, carregando as cabeças dos guarda-costas mortos em espinhos altos. Luís XVI, Maria Antonieta, Madame Royale e o pequeno dauphin deixaram seu belo palácio para sempre.

A tentativa de fuga

O rei, a rainha, a família real, os atendentes e a corte se mudaram para sua residência em Paris – o palácio das Tulherias. Louis e Maria Antonieta continuaram seus costumes, como a alavanca da manhã, o púlpito noturno e a missa diária. O público ainda vinha vê-los, exatamente como em Versalhes.

Na cidade, a Assembléia discutiu a criação de uma monarquia constitucional. Nesse novo tipo de governo, o rei dividiria o poder com os oficiais eleitos. O povo poderia votar em representantes. Maria Antonieta ficou triste quando o marido perdeu lentamente o controle sobre a França. Louis ficou doente e deprimido ao ceder às demandas do povo.

Embora o rei e a rainha vivessem em um palácio e fossem tratados como membros da realeza, eles temiam que isso não durasse muito mais tempo. Tantas pessoas falaram contra eles que se preocuparam por suas vidas. A rainha disse ao velho amigo Count Mercy: “Nossa situação aqui é assustadora”. Eles decidiram fugir. Seria perigoso. Eles teriam que se disfarçar e sair furtivamente durante a noite.

Na segunda-feira, 20 de junho de 1791, o rei e a rainha agiram como se fosse outro dia. À noite, Maria Antonieta e a governanta das crianças trouxeram Louis Charles, de doze anos, para uma carruagem em espera. A filha terminou o jantar para que ninguém suspeitasse. Madame Elisabeth, irmã do rei, juntou-se às crianças na carruagem.

Então, assim que os criados foram embora, o rei e a rainha vestiram as roupas de serva e saíram sorrateiramente do palácio. Fora de Paris, eles mudaram para uma carruagem maior. Continha tudo o que era necessário para uma longa jornada, incluindo comida e um pequeno fogão. A governanta fingiu ser uma aristocrata russa e a família real fingiu ser seus servos. Eles foram para uma cidade perto da fronteira francesa, onde esperavam encontrar pessoas que apoiassem o rei.

A carruagem se moveu muito lentamente. Tinha que parar a cada 24 quilômetros para trocar de cavalo. Mas a família estava confiante em sua fuga. Ninguém parecia segui-los. Em uma pequena vila, no entanto, alguém os reconheceu. As notícias se espalharam pela próxima vila.

Quando a família real chegou para trocar de cavalo, os aldeões mantiveram a família lá. Funcionários da Assembléia Nacional chegaram na manhã seguinte e fizeram a carruagem virar. A viagem de volta a Paris foi horrível – quente e lenta, com multidões gritando insultos para eles. A viagem durou apenas um dia: a viagem de volta levou quatro. Quando eles retornaram ao palácio, o rei e a rainha estavam sob vigilância constante.

Em 14 de setembro de 1791, o rei aceitou oficialmente a constituição elaborada pelo novo governo. Estabeleceu uma Assembléia Legislativa de funcionários eleitos e limitou enormemente os poderes do rei. Naquele dia, Luís XVI chorou.

Maria Antonieta não estava pronta para deixar de ser rainha. Durante o inverno, ela dedicou sua energia a escrever cartas para outras famílias reais da Europa. Ela escreveu em código ou tinta invisível. Ela contrabandeou as cartas para fora do palácio das Tulherias, dentro de chapéus ou caixas de chocolate. Ela escreveu para o irmão Leopoldo na Áustria. Ela escreveu aos líderes da Prússia, Espanha, Suécia e Rússia. Logo, a Áustria e a Prússia entraram em guerra contra a França. Eles queriam restaurar o poder do rei francês e remover a Assembléia Legislativa.

O povo francês, no entanto, estava determinado a terminar o reinado do rei. Em 10 de agosto de 1792, uma multidão atacou o palácio das Tulherias. Eles destruíram os aposentos da família real e mataram seus servos e guardas. Eles pegaram as joias de Maria Antonieta e arrastaram os vestidos de seus armários. Os pertences da realeza foram jogados nas ruas de Paris. Os membros da família real estavam escondidos em um local seguro dentro do prédio da Assembléia. Agora, porém, eles eram presos políticos. A grande prisão da Torre do Templo seria sua casa.

O fim  da Monarquia

A vida na torre da prisão era muito diferente do que a família real conhecia. A torre tinha um quarto no segundo andar para o rei e seu filho, e outro quarto e um banheiro no terceiro andar para Maria Antonieta, Madame Royale e Madame Elisabeth. Todos tomavam café juntos.

Louis e Maria Antonieta ensinavam lições aos filhos, liam ou costuravam à noite. Mesmo sendo prisioneiros, os servos ainda os tratavam como realeza. Enquanto isso, uma nova Convenção Nacional declarou a França uma república. Os líderes deveriam ser eleitos pelo povo. Não havia lugar para rei e rainha nesse tipo de governo. O rei foi despojado de todo poder. O rei foi julgado por traição, ou trabalhando contra os interesses de seu país.

A morte de Louis XVI

O tribunal o condenou à morte por guilhotina. Na noite de 20 de janeiro de 1793, o rei se despediu de sua família. Ele prometeu que os veria pela manhã uma última vez, mas nunca o viu. Maria Antonieta ouviu os tambores e os aplausos do francês pela janela da torre. Ela sabia que Louis fora morto.

Em julho do mesmo ano, as autoridades levaram o filho de Maria Antonieta para longe dela. Eles trancaram Louis Charles sozinho no quarto do segundo andar, onde um novo tutor cruel estava encarregado dele. Em agosto, as autoridades removeram Maria Antonieta da torre e a levaram para uma nova prisão. Dois soldados ficavam sentados com ela em sua pequena cela em observação constante.

 

Maria Antonieta foi levada a julgamento em outubro de 1793, quatro anos depois de deixar sua casa em Versalles. Ela havia mudado muito desde que fora coroada rainha dezoito anos antes. Seu vestido remendado, corpo frágil e cabelos brancos a faziam parecer muito mais velha que seus trinta e sete anos. Ela foi acusada de muitos crimes.

A morte da rainha Maria Antonieta

Testemunhas afirmaram que ela tramava contra a França desde o momento em que chegou da Áustria. Eles a acusaram de espionagem. Eles a acusaram de enviar ouro para seu irmão, o imperador da Áustria. Eles a culparam pelas más decisões do rei e zombaram de seu estilo de vida extravagante. Ninguém tinha provas desses crimes.  Mas, todo mundo estava procurando alguém para culpar por todos os problemas da França. Matar o rei não foi suficiente. Maria Antonieta também foi condenada à morte. Como Louis, sua cabeça seria cortada em público por guilhotina.

No início da manhã após o julgamento, Maria Antonieta pediu aos carcereiros tinta, caneta e papel. Ela escreveu uma carta para sua cunhada Madame Elisabeth. “Adeus, minha boa e amorosa irmã”, escreveu ela. “Lembre-se sempre de mim. Eu envio a você o meu amor mais profundo, e também o envio aos meus pobres filhos. Meu Deus, é uma agonia deixá-los. Adeus. Adeus.” A carta nunca foi entregue.

Na manhã de 16 de outubro de 1793, Maria Antonieta estava orando quando o carrasco veio buscá-la. Ele amarrou as mãos dela nas costas e cortou os cabelos. Ele a levou por uma corda, como um animal, para um carrinho aberto.

A carroça, cercada por soldados a cavalo e a pé, a levou pelas ruas lamacentas e pelas multidões gritantes. A praça já estava lotada de pessoas esperando para vê-la morrer. Maria Antonieta saiu do carrinho sem ajuda e foi até o cadafalso. O carrasco a trancou na guilhotina e deixou a lâmina cair. A cabeça dela caiu em uma cesta. Quando ele levantou a cabeça, a multidão gritou: “Viva a república!” O corpo e a cabeça de Maria Antonieta foram jogados em um carrinho de mão e levados embora.

A morte do rei e da rainha não terminou a Revolução Francesa. Os membros do novo governo discordavam sempre. De 1793 a 1794, o governo executou milhares de pessoas por guilhotina, incluindo Madame Elisabeth. Esse ano sangrento ficou conhecido como o Reino de Terror.

A revolução finalmente terminou, quando Napoleão Bonaparte assumiu o controle da república em 1799. Ele era um forte líder militar que organizou as leis da França, conquistou outras terras européias e acabou sendo coroado imperador da França.

O delfim permaneceu na torre e morreu em junho de 1794. Ele tinha nove anos de idade. O único a sobreviver foi Madame Royale, a princesa Maria Therese. Ela foi libertada em seu décimo sétimo aniversário para a segurança da Áustria, onde a história trágica de sua mãe havia começado.

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.