EUA – Cambridge e o Harvard Semitic Museum

Oi Gente

O post de hoje se refere a uma visita rápida a um dos museus de Harvard, o Harvard Semitic Museum, na cidade de Cambridge, região metropolitana de Boston. 

Saiba um pouco por aqui…

Semitic Museum de Harvard

Na cidade de Cambridge, região metropolitana de Boston, está a famosa Harvard, já fiz um post sobre ela por aqui.

Além da possibilidade de conhecer a Universidade, você terá por lá vários interessantes museus para visitar. Estávamos em Cambridge em um dia de chuva e resolvemos dar uma passadinha no Harvard Semitic Museum  e, embora a visita tenha sido rápida, valeu muito a pena.

Abaixo, algumas fotos que fiz por lá e um pouco sobre o que o Museu oferece. A primeira foto não é minha, é de uma pesquisa no Google, até porque nesse dia que estivemos no Museu estava chovendo muito.

Foto de John Stephen Dwyer

A foto acima de John Stephen Dwyer que pesquisei na Internet, dá para se ter uma ideia da frente do Museu.

O Museu tem 3 espaços separados

1-  floor – Casas do Antigo Israel – doméstica, realeza e Divindade

“As casas do antigo Israel:  Divino real doméstico oferece uma visão de vida no mundo agrícola do antigo oriente próximo. O anúncio mostra como os povos antigos visualizaram sua própria sociedade – como uma hierarquia de domicílios aninhados estendendo da casa doméstica simples no fundo à casa de deus no topo”.

1.1 – Doméstica

“O povo de Israel e Judá eram membros de famílias unidas e grupos de parentesco. Tipicamente, os agregados familiares eram liderados pelo chefe masculino de uma família alargada a viver juntos num grande complexo. As casas eram geralmente construídas com tijolos de barro secos ao sol em fundações de pedra.
Essa “Casa do Pai” era a unidade básica da sociedade israelita através da qual os antigos israelitas organizavam seus mundos social, econômico e religioso.”

1.2 Casa do Rei

“Os reinos de Israel e Judá na Idade do Ferro foram caracterizados como os lares de seus reis. O rei serviu como o pai real do reino. O rei, no entanto, foi apenas o segundo na hierarquia final. Sua “casa” fazia parte da casa ainda maior de Yahweh. Yahweh era a divindade nacional, um supremo governante patrimonial e o pai final de todos os filhos de Israel.”

1.3 Casa de Yahweh

“Os israelitas construíram o Primeiro Templo perto do palácio ricamente adornado do rei na acrópole de Jerusalém, elevado fisicamente e hierarquicamente acima do resto da sociedade. Eles consideravam essa estrutura religiosa como a casa onde reside a divindade nacional, Yahweh. Cada rei era considerado o filho designado de Yahweh, e deste poleiro o deus e seu filho governavam juntos. Como o Templo de Jerusalém foi mais tarde destruído, a reconstrução aqui vista é baseada em paralelos arqueológicos e na descrição da Bíblia.”

2- floor – Do Nilo ao Eufrates – criando o Museu Semítico de Harvard

Achei muito interessante a dedicação desse professor de Harvard o qual buscando deixar para as futuras gerações conhecimentos sobre o Oriente Médio. Veja abaixo um pouco da história desse professor.

Quem foi David Gordon Lyon?

“O professor de Harvard David Gordon Lyon (1852-1935) foi um assiriólogo – um estudioso da história e da linguagem da mesopatamia (antigo Iraque). Ele trabalhou incansavelmente para promover o estudo das culturas antigas que floresceram no Oriente Médio de hoje.

Lyon reuniu uma rica coleção de antiguidades do que hoje chamamos de Oriente Médio, incluindo a Terra Santa. (O termo “semita” refere-se às línguas e culturas relacionadas da região).

Em 1889, Lyon estabeleceu as primeiras galerias do Museu Semítico; o atual edifício foi concluído em 1903. Carismático e incansável professor, curador e fundador, ele viajou pelo mundo, desenvolvendo um amplo círculo de colegas e apoiadores para ajudá-lo a realizar seus planos. Para Lyon, este museu não era apenas um edifício para exibir artefatos, mas uma instituição ocupada dedicada ao ensino, pesquisa e publicação de história, idiomas e culturas do Oriente Próximo.”

“O antigo Oriente Próximo, hoje chamado de Oriente Médio, se estende do rio Nilo, no Egito, até o rio Eufrates, na Síria e no Iraque. As contribuições culturais podem ser atribuídas a israelitas, fenícios, egípcios, arameus, babilônios, árabes e muitos outros.
A região desenvolveu o primeiro sistema de escrita do mundo, inventou a roda, criou os primeiros governos centralizados, códigos de leis e impérios. Astronomia, matemática, música e medicina começaram aqui.”

“A criação do Museu foi intensamente pessoal para o Lyon. Ele até acrescentou itens à coleção, como seu próprio pequeno saco de pedregulhos reunidos no mar de Galileia. Após sua aposentadoria do cargo de diretor em 1899, ele continuou a servir como curador honorário até 1932.

“Durante a maior parte de sua vida, Lyon carregou um pequeno caderno de bolso, que ele usou para documentar suas experiências diárias. Seu arquivo pessoal abrange sessenta e cinco anos; algumas delas agora estão publicadas online em: https://hollisarchives.lib.harvard.edu/repositories/4/resources/4047

 

3-  floor – Monumentos da Mesopotâmia a propaganda dos reis

Acredito que qualquer um de nós, ex-estudantes ou estudantes atuais, que tenham passado por uma aula de história, deve-se lembrar desse nome Mesopotâmia, mesmo que não se recorde bem do que se trata, provavelmente foi lhe ensinado algo respeito. A Mesopotâmia é de tal importância para a história da humanidade, que vale a pena relembrar um pouco do se que trata. 

 

“O termo “mesopotâmia” refere-se à área do Iraque moderado e partes do Irã, Síria e Turquia. A palavra vem do significado grego antigo “entre os rios” e se refere ao Tigre e ao Eufrates. Foi nesse cenário que as pessoas desenvolveram algumas das maiores realizações do mundo, incluindo a roda, a astronomia, a agricultura, a domesticação de plantas e animais, as primeiras cidades e estados e a invenção da escrita.”

“Os Estados da Mesopotâmia estavam entre os mais poderosos e influentes na história

Os monumentos públicos esculpidos em pedra eram uma característica regular na tradição mesopotâmica e eram mostrados em destaque. Eles, frequentemente, mostravam cenas de governantes e deuses. Como propaganda real, eles mostravam a grandeza do governante diante de deuses e mortais.

O leste dos monumentos mesopotâmicos expostos no Harvard Semitic Museum cobre uma extensão de mais de 1.400 anos. Embora eles representem apenas uma seleção dos monumentos típicos dos estados da Mesopotâmia, eles fornecem um registro inestimável dos povos há muito desaparecidos e da política de seu mundo antigo.”

Achei bem interessante as informações abaixo.

Gesso lança registros históricos

“No século XIX, a exploração arqueológica no Oriente Próximo desenterrou monumentos da civilização mesopotâmica. Muitos desses artefatos estão em coleções de museus em toda a Europa.

Em uma época em que poucos podiam se dar ao luxo de viajar para os grandes museus de Londres, Paris ou Berlim para ver esses achados em primeira mão, os funcionários do museu criavam réplicas de gesso baratas dos originais antigos. Os museus então vendiam cópias dos elencos ao redor do mundo. Foi assim que o Museu Semítico de Harvard adquiriu sua coleção de monumentos mesopotâmicos.

As réplicas tridimensionais transmitem um melhor senso de escala e detalhe do que desenhos ou fotografias bidimensionais. Em alguns casos, os originais são perdidos, danificados ou destruídos, deixando apenas os elencos para representar os monumentos em falta.

Monumentos da Mesopotâmia oferecem uma oportunidade única para experimentar essas obras de arte antiga em uma única exposição.”

Endereço:

6 Divinity Ave, Cambridge, MA 02138

Horário: 

Segunda a Sexta – 11h00 as 16h00

Domingo – 11h00 as 16h00.

Aos sábado deverá visitar a website para saber a respeito, pois nem todos os sábados está aberto.

Para visitar o Museu não se cobra a entrada – é gratuíto.

Mais informações no site abaixo–      fone : 617-495-4631

https://semiticmuseum.fas.harvard.edu/

Enfim, gosto da frase de Fernando Pessoa sobre viajar, onde ele diz “A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos” e ainda, não sei quem disse isso, mas gosto também: ” sempre voltamos diferentes de uma viagem”  e só posso concordar com esses ditos, pois toda viagem nos traz algum tipo de ensinamento e, quando se consegue visitar um museu, essa probabilidade sem dúvida se torna bem maior.

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.

 

 

Referências: 

Folders da HMSC Harvard Museums of Sciende & Culture