Você gosta de piano? A história desse instrumento

Oi Gente

O post de hoje se refere a esse instrumento que, até hoje, apesar de todos os instrumentos eletrônicos que estão por ai, o piano não perde o seu glamour. Saiba um pouco de sua história por aqui…

Ouvir te tocar

Espero trazer o máximo de informações sobre o piano por aqui, até porque sou apaixonada por esse instrumento e tenho uma relação com ele e várias histórias a respeito. (vou contar no final do post).

Após falar um pouco sobre a invenção e a história do piano, quero dividir com você algumas informações de um artigo que li, há alguns anos atras, que tenho guardado comigo, o qual ganhei de uma professora de piano querida, a Rosangela, sobre a importância do estudo do piano.

Você sabe quem inventou o piano?

Pois é, eu também não sabia, e a minha curiosidade fez com que fosse atrás de informações a respeito e divido com você o que descobri.

Resultado de imagem para Bartolomeo Cristofori
Foto de Bartolomeo Cristofori em 1786

O inventor do Piano foi um italiano de nome Bartolomeo Cristofori, o qual, no ano de 1698, iniciou a criação do que faria mais tarde partes de um piano e, no ano de 1710, construiu o primeiro pianoforte (piano em italiano).

Quem foi Bartolomeo Cristofori?

Resolvi, primeiramente, saber quem foi o italiano Bartolomeo para entender como chegou a essa criação. Vamos lá então saber um pouco sobre ele.

Bartolomeo Cristofori, nasceu em Pádua (Padova), na República de Veneza, na linda Itália, em 06 de maio de 1655. morreu em 27 de janeiro de 1731.

Ele foi contratado pelo príncipe Ferdinando, da família Medici, para que fizesse manutenção de alguns instrumentos. Para se ter uma idéia, no palácio do príncipe, ele tinha 100 artesãos contratados.

O príncipe era apaixonado por instrumentos musicais.

Resultado de imagem para Principe Ferdinando médici italia
Príncipe Ferdinando – conhecido também como Fernando III de Médici

Ferdinando era músico em Florença, herdeiro do Grão-ducado. Era reconhecido como um grande talento pelos músicos de Florença. Foi nesse ambiente que Bartolomeo Cristofori criava e desenvolvia novos instrumentos até chegar ao primeiro piano.

Resultado de imagem para Bartolomeo Cristofori
Primeiro Piano fabricado por Bartolomeo e se encontra hoje no Metropolitan Museo de Nova York

Bartolomeo, antes do convite de Ferdinando trabalhava como construtor de cravos, (instrumentos musicais de corda) e por perceber que o cravo não oferecia opções diferentes de intensidade do som, a partir de sua mudança de Pádua para Florença, ele realizou o seu primeiro projeto de aprimoramento em 1968.

No ano de 1702, ele apresentou o primeiro cravo modificado e no ano de 1709 apresentou o molde do primeiro piano, o que mais tarde receberia o nome de pianoforte, por apresentar a possibilidade de utilizar o teclado com mudanças de som entre o fraco e forte. Daí vem o nome pianoforte como é conhecido até hoje na Itália.

A alteração feita para que isso acontecesse foi a troca no interior do piano das chamadas penas por pequenos martelos, trazendo assim a possibilidade de trazer mais melodia e vida nas músicas que tocava.

O Príncipe Fernando de Médici morreu em 1713, com 53 anos e, mesmo após a sua morte, Cristofori continuou prestando seus serviços ao pai de Fernando, o Grão Duque – Cosme III de Médici, até o momento de sua morte, em 1731.

Evolução do Piano

Para se chegar a criação do piano, ele teve seus antecessores como:

monocórdio

Um instrumento dos asirios e egipcios, do ano de 582 a.C., uma iniciativa de Pitágoras e que já era usado pelos gregos.

Monocordio - Edad Media
monocórdio

clavicórdio

O clavicórdio é do século XIV e seu uso foi muito popular, entre os séculos XVI e XVIII, usado principalmente nos países de língua alemã.

Clavichord Attributed to Christian Kintzing Date: 1763 Geography: Neuwied, Germany

Espineta

A espineta era um instrumento de cordas beliscadas e é da família do cravo. O seu som era mais apagado, mas foi bem popular até o século XVII. O seu inventor também italiano da cidade de Veneza, cujo nome Giovanni Spineta deu origem ao nome do instrumento. Saiba mais sobre ela por aqui.

Resultado de imagem para espineta

Virginal

Era um instrumento de forma retangular menor, onde cada nota acionava uma corda.

A evolução do instrumento piano, até chegar aos que conhecemos atualmente, passou por vários criadores e, em diversos países europeus ele foi sendo melhorado.

¿Cuál es la historia del piano?
https://www.curiosfera.com/historia-del-piano/

Cronologia

  • 1710 – A Invenção do pianoforte, pelo italiano Bartolomeo Cristofori;
  • 1725 – Gottfried Silberman adota o sistema de Cristofori e constroi um piano forte e demonstra a Sebastian Bach, que lhe pede mais melhorias sobre o instrumento;
  • 1747– Bach aprovou o piano de Silbermann e a sua invenção recebeu um impulso na Alemanha;
  • 1760- Os fabricantes alemães de pianos se instalam em Londres e fundam a escola inglesa, onde o seu coordenador John Broadwood constrói pianos mais sólidos;
  • 1790- Sebastian Erar crea la escuela francesa de fabricantes de pianos;
  • 1820– os pianos alcançam 7 oitavas (número de notas compreendidas em um intervalo);
  • 1821-1823– Sebastian Erard desenvolve um sistema de dupla ação, onde se permite repetir uma nota, antes que o martelo volte a sua posição inicial;
  • 1825– Alpheau Babcock, de Boston, inventa o quadro metálico que permitirá uma maior tensão das cordas;
  • 1840- Henry Herz melhora o sistema de dupla ação que chegará até os dias atuais;
  • 1844– Jean Louis Biosselot inventa o pedal tonal, que será melhorado por Steinway em 1874;
  • 1853– É criada uma das empresas mais importantes de fabricação de piano, a Steinway & Sons;
  • 1840-1840– Considerada a época do piano romantico, depois de Hemmerflueger de Beethoven, o pianoforte se reforça com barras de metal para aumentar a tensão e a sonoridade. É a época de Chopin e Liszt;
  • Anos 1865-1945: o piano moderno incorpora a imagem de uma peça, o escape duplo e outras características que aumentam seu volume;
  • 1950- Os pianos adquirem a forma atual e se produzem de maneira industrial.

Essa cronologia abaixo, traduzi do site espanhol, onde você poderá ver com mais detalhes os momentos históricos da evolução das fabricações dos pianos: https://www.curiosfera.com/historia-del-piano/

A importância do Estudo do Piano

Piano aumenta o raciocínio das crianças

O estudo da música e, especificamente, a aprendizagem do piano, segundo Ruberth Bertuzzi, “é uma excelente perspectiva de crescimento em relação à coordenação motora, auto-disciplina, auto-confiança, estímulo da linguagem, memorização, criatividade e socialização”.

“Sua prática leva a adquirir significativa melhora em funções que serão usadas em todas as atividades da vida como percepção visual, percepção auditiva e rítmica, estruturação do esquema corporal, lateralidade, orientação espacial e temporal, atenção e reação. Estudos recentes do comportamento humano, conduzidos por entidades científicas de renome, confirmam que o estudo da música traz enorme benefícios para o ser humano. Sendo assim, temos razões de sobra para ficarmos conscientemente felizes com o nosso estudo de música”.

Musica supera computação no desenvolvimento das crianças

“Uma equipe de pesquisadores americanos explorando a ligação entre música e inteligência divulgou que a prática musical, especificamente o estudo do piano, é de longe superior à computação, ao aumentar consideravelmente nas crianças habilidades de raciocínio para temas complexos, necessários para aprendizado de matemática e ciências.”

Essas informações vieram de alguns estudos da Universidade de artes e música da California Irvine.

Quanto mais cedo a criança tiver a oportunidade de estar aprendendo um instrumento musical, principalmente o piano, é melhor. Mas, o estudo do piano não tem idade para se aprender.

Um pouco da minha história com a aprendizagem do piano

Meu primeiro contato com a aprendizagem do piano se deu aos 11 anos, com uma professora que era vizinha de nossa casa, infelizmente faleceu ainda nova com câncer. Não tinha piano na época e, como uma menina curiosa, queria aprender a tocar piano e lá ia duas vezes por semana, sendo aula de piano clássico, onde na terça tinha aula de solfejo (que por sinal não gostava muito) e na quinta-feira a aula era realizada diretamente no piano com as partituras. (ai era um dia de festa).

Estudei durante uns 3 anos e depois, após mudança de bairro, acabei abandonando os estudos de piano durante vários anos, sem contudo nunca deixar de gostar.

Como comprei meu piano?

Já casada com três filhos, resolvi voltar a estudar piano novamente. Mas, dessa vez, queria primeiramente ter um piano em casa. Esse instrumento, até hoje, não é lá fácil de se obter pelo alto preço.

Na época pagava um consórcio de telefone. É gente ter um telefone já foi bem mais difícil do que atualmente. Fui sorteada no consórcio e resolvi vendê-lo para comprar o meu piano. O valor não era suficiente para comprar um piano novo e a saída foi comprar um usado mesmo.

Adquiri meu piano de uma professora de outra cidade próxima a minha. Comprei o piano por telefone e sem ver. Não existia Whatsapp (kkk) e combinado o dia, lá fomos eu, meu marido e meu pai buscar o tão sonhado piano.

Ao chegar na cidade, precisamos arrumar mais duas pessoas para poder colocar o piano em cima de uma camionete. Mas, quando cheguei e vi o piano que havia comprado, confesso que me decepcionei um pouco. O piano, ja era bem usado e tinha sido de um ex-dono de uma boate (kkk) e ali estava até vários sinais de queimadinhos de cigarro. O coitado todo desafinado e, assim, finalmente o piano entrou em minha casa.

A próxima etapa foi mandar reformar o piano e aqui, na minha cidade de Londrina, tem um ótimo profissional nessa área, o Sr. Mozart, (nem sei se é assim que se escreve o nome dele), mas a verdade que é o melhor nessa área. Após negociação dos valores, que também não foi barato, lá foi o meu piano para ser reformado e, no seu retorno, que delícia um piano com a cara de um novo, o móvel perfeito e estava bem afinadinho e tudo funcionando direito.

Depois de vários anos, já com o piano em casa, voltei a fazer aulas em uma escola e depois vários anos estudei com a Rosangela, minha professora particular, a qual vinha em casa e me ensinava e, também, dava aulas a minha filha caçula que se interessou pela aprendizagem do instrumento.

Na verdade, não sou daquelas que gosta de tocar piano para os outros e nem de me apresentar, sempre fugia dessas apresentações de final de ano, o piano é algo que gosto de tocar sozinha e é um momento que curto mesmo.

Com a correria do dia a dia, com filhos adolescentes, estava cada dia mais dificil se dedicar ao piano, pois chega um momento, nos estudos do piano, que realmente precisa estudar e praticar em casa, me faltava tempo.

Atualmente, com 58 anos e os filhos crescidos, resolvi novamente, no ano passado, retornar meus estudos em uma escola bem legal aqui em Londrina. É uma escola tradicional de ensino de música, com várias modalidades de instrumento e, assim, estou eu voltando e aprendendo sempre um pouco mais sobre esse delicioso instrumento. Aprender nunca é tarde e sempre há o momento para que você possa fazer aquilo que se deseja, basta dar o primeiro passo.

Resolvi colocar um pouco da minha história com o estudo do piano aqui no blog, pois quem sabe, caso você tenha essa vontade, possa se animar e ir atras de aprender algum instrumento musical. A música é tudo de bom para o nosso cérebro e, quando me sento para tocar um pouco de piano, parece que não tem algo mais relaxante para mim. Adoro.

Me lembrei que já fiz um post por aqui sobre o violino, vale a pena dar uma olhadinha sobre uma história do segredo do violino Stradivarius.

Enfim gente, adorei fazer esse post, pois era uma curiosidade minha saber mais sobre a história do piano e resolvi dividir aqui com você.

Se você tem criança em casa, ou mesmo você tem essa vontade, quem sabe vale a pena pensar seriamente a respeito.

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.