Para você que anda muito cansado (a) e irritado (a)

Oi Gente

Pensei como poderia colocar um título aqui que pudesse trazer você até o meu blog para ler um pouco sobre o que pode estar acontecendo com você, embora você possa não ter nem tempo de perceber. Aí você me pergunta, mas com um país desorganizado como anda o nosso por aqui, quem não está cansado ou irritado? É sobre isso o assunto aqui hoje que gostaria de falar com você

Então gente, estamos vivendo um momento crítico em nosso país, com tantas notícias desagradáveis e que faz com que você pense: até quando? Você está tocando a vida, se arrastando, fazendo o que é possível e os resultados esperados não vem, aí te bate aquele cansaço, aquele desanimo, bem como uma irritabilidade o qual você acaba se descontrolando e, na maioria das vezes, descontando em quem não tem nada com isso, ou muitas vezes, naqueles que você mais ama.

Pois é, o que está acontecendo com você?  que sabe disso tudo, se cobra sobre esse fato e logo mais vem a culpa e a canseira vai aumentando, as coisas vão saindo do seu controle e se não se cuidar, ainda para ajudar, você fica suscetível a adoecer.  Aí você se cobra mais ainda, justo agora? O que eu não posso nesse momento é me entregar e aí as cobranças que você mesmo faz acaba virando um círculo vicioso.

E os sintomas começam a aparecer e você vai de médico em médico, faz exames e mais exames, e não aparece nada. Mas aí você se pergunta: O que está acontecendo comigo, justo agora?

Fique atento que possivelmente você poderá estar desenvolvendo a considerada síndrome do final do século passado: A Síndrome de Burnout.  Mas afinal o que é isso?

Primeiramente por que esse nome Burnout? Tranduzindo aqui para você a palavra burnout – deriva da Burn – Out – Queimar por completo.

A cada momento histórico, de acordo com os modos de produção, vão aparecendo diferentes tipos de diagnósticos que são estudados de acordo com o histórico de vida de cada pessoa, bem como dos sintomas que a mesma descreve ao seu médico, seu psicólogo ou qualquer outro profissional da área da saúde. E, embasados nas queixas de seus pacientes, a ciência vai descobrindo as causas, e vai buscar possíveis soluções para os problemas, visando não somente o tratamento mas oferecer ao indivíduo um alívio dos sintomas.

Os profissionais da saúde, buscam também encaminhar esse paciente para atitudes que lhe promovam um melhor bem estar tanto físico, quanto psíquico. É gente,  problemas psicológicos também dá uma canseira sem fim. Tipo aquela que você dorme, dorme e não há meio de se recuperar.

“A teoria do Burnout também não surge por acaso, teoria que se dispõe a compreender as contradições da área de prestação de serviços, exatamente quando a produção do setor primário descamba e o setor terciário vem tomar seu lugar. A teoria do ser humano solitário, na época em que parece se esvanecer a solidariedade; a ênfase na despersonalização quando a ruptura dos contratos sociais parecem ter eliminado a pessoa.”

Maslach & Jackson criaram uma escala de medida “Maslach Burnout Inventory” – MBI. Um instrumento para se obter diferentes dados de trabalhadores, onde obtiveram três fatores principais de análise, sendo eles:

  1. Exaustão emocional – refere-se aos sentimento de estar emocionalmente drenado pelo contato com outras pessoas;”
  2. Despersonalização – refere-se à resposta insensível de tratamento àquelas pessoas; segue a exaustão emocional e é evidenciada pela insensibilidade em relação aos clientes e colegas de trabalho;”
  3. Reduzida realização pessoal – refere-se ao declinante sentimento de ser bem-sucedido no trabalho com pessoas”. 

Algumas profissões apresentam maiores chances de desenvolver a síndrome, só para citar alguns: profissionais que atuam na área da saúde, como médicos, enfermeiros, atendentes. Já na área da educação é grande o número de profissionais que se encontram nessa situação como os professores, alunos e outro grupo que pode desenvolver essa síndrome, entre outros, os policiais, bombeiros, taxistas.

A Síndrome de Burnout, segundo alguns pesquisadores, está diretamente ligada as questões relacionadas do indivíduo com o seu trabalho.

Alguns sinais e sintomas dessa síndrome de burnout:

  1. Na parte física: dores musculares, pressão alta, sudorese, dores de cabeça, crises de asma, tonturas, problemas digestivos, palpitação.
  2. Na parte psicológica: oscilações de humor, irritabilidade, ansiedade, depressão, falta ou excesso de sono, pessimismo exagerado, falta de ar. 

No site http://drauziovarella.com.br/letras/b/sindrome-de-burnout/ poderá te passar mais algumas informações sobre a síndrome.

Sygmunt Bauman, sociólogo polonês, nos fala que o século XX foi uma transformação da sociedade de produção para a sociedade do consumo, e com isso ocorreu o processo de fragmentação humana, onde a sociedade passa a ser individualizada, deixando de pensar coletivamente para se pensar a vida individualmente. Essas grandes transformações afetam diretamente cada um de nós, fazendo com que a confiança e os laços sociais sejam desfeitos, gerando muita ansiedade, competição, cobranças e todas essas coisas que você que está inserido no mercado do trabalho sabe bem. 

Os tempos estão difíceis, os desafios são grandes, as relações humanas tão necessárias para a saúde tanto física como psíquica estão deterioradas. Lidar com tudo isso, buscando a sua própria identidade vai aos poucos trazendo e desenvolvendo situações de pressão sobre o sujeito que os levam a adoecer. Tá tudo isso eu já sabia, você deve estar pensando e o que fazer então para melhorar essa situação?

A resposta para essa pergunta gente, essa não pode ser coletiva, pois essa é de um a um. Você quer a sua identidade, você é uma pessoa diferente de qualquer outra. Então o que posso dizer é que você terá que pensar e refletir a sua situação e ver sim o que fará com isso. Buscar cada um, a seu modo, um jeito de lidar com tudo isso e se observar e, quando perceber que  já não está mais dando conta de lidar com essa situação, por que não se permitir buscar uma ajuda profissional? Por que não amar-se e permitir se cuidar? 

O objetivo aqui desse post gente, foi o de alertar para que você se observe ou observe aqueles que estão mais próximos de você e, antes de só criticar, tentar perceber se a situação já não passou dos limites e que essa pessoa talvez necessite de um olhar mais cuidadoso, pois não precisa mais de críticas, provavelmente ela já deva estar sendo bem criticada,  e sim de um encaminhamento para um tratamento. 

Em tempos de tantos desafios ainda temos que procurar preservar um olhar humano para nós mesmos e para nossos semelhantes.

Era isso por hoje gente.

Obrigada pela visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.

 

Referências:

Portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/jornaldoprofessor/midias/arquivo/edicao3/Burnout.pdf

http://www.abc.med.br/p/psicologia..47.psiquiatria/556277/o+que+saber+sobre+a+sindrome+de+burnout.htm

http://www.discursividade.cepad.net.br/EDICOES/04/Arquivos04/03.pdf