Como elaborar um luto?

Oi Gente

Você achou estranho o título do meu post hoje? Falar de morte em um Blog cujo o objetivo é falar da arte de viver, de vida,  das coisas boas da vida, até parece que não combina não é mesmo?

Então, e a morte, essa danada,  também não faz parte de nossas vidas? E o que é isso que nós temos como defesa de não querer falar sobre ela, de não querer saber dela de não pensar ou aceitar que ela é única certeza de nossas vidas, é sobre isso que estou pensando hoje e sobre isso que quero falar aqui o que penso sobre…É gente, não posso negar que hoje, nesse momento em que escrevo aqui no meu Blog, é um dia muito, mas muito triste em minha vida e também de toda a nossa família, pois tivemos que compartilhar da perda do convívio de duas jovens maravilhosas com idade, de 23 e 25 anos,  bem como de mais 2 jovens que, embora eu não conhecesse,  deixaram a convivência com seus entes queridos. Todos encontraram sua morte no mesmo dia e no mesmo instante. Mortes trágicas como essas não tem como não questionar todas as pessoas que estão por perto.

Dor? Muita dor. Sofrimento? Muito sofrimento. Dor e sofrimento é o que a morte proporciona, sem dúvida alguma, àqueles que aqui permanecem e, dependendo dessa relação de amor, essa dor pode ser vivenciada e canalizada de várias maneiras, de acordo como cada um vivencia e a experimenta.

Como não somos imortais, um dia ou outro, passar por essa experiência de perda também faz ou fará parte de sua vida.

E aí vem a pergunta: Como aliviar essa dor? Dor essa que aperta o coração, que parece que levou uma facada, que dá desespero, que o peito fica fechado como se nunca mais fosse abrir, quando o sentido da vida para aquele que ficou parece que não existe mais.

O que penso sobre isso gente, é que essa questão é individual e única. Cada um vai encontrar a sua forma de como continuar a vida, apesar da perda. Alguns preferem não tocar no assunto, outros preferem tamponar essa dor como se fosse possível, outros ainda aconselham, quando chegam perto de quem passou por essa dor, a não falar nunca mais sobre o assunto.

Alguns  se apegam a sua fé e suas crenças que, principalmente nesse momento, se tornam mais importantes. Mas tudo isso muitas vezes não garante aliviar a dor da perda e a falta que faz no  do dia a dia a pessoa amada que se foi.

Morte é triste, muito triste, dói e dói mesmo, mas é preciso sim sofrer, passar e permitir passar por esse sofrimento, chorar e chorar muito quando vier a vontade, ficar triste, se revoltar, e principalmente falar e falar mais sobre o assunto, sobre a perda do seu ente querido, falar com Deus, falar com os amigos, falar com quem queira te ouvir. Você precisa elaborar esse luto, se permitir a isso para que tenha condições de continuar a sua história e seu percurso aqui nessa terra.

Estamos em mundo onde as tristezas tem que ser disfarçadas, os sentimentos de dor não podem aparecer, onde a “felicidade” tem que estar exposta a todo momento, estamos em um mundo das aparências e, nesse mundo, como pode entrar a tristeza?

Então você pode estar perguntando como então lidar com isso? Você do seu jeito que é único vai encontrar o melhor caminho para lidar com isso, mas não se camufle, não finja que isso não aconteceu, que isso não é comigo, se permita a viver o seu luto, do seu modo, e no seu tempo necessário para elaborar.

E a vocês amigos, familiares e aqueles que estão próximos de quem está passando por um momento desse, pensem o que falar. Se não tem o que falar, fique quieto e só fique perto da pessoa que você gosta, já esta fazendo muito. Escute uma, duas, três, cinquenta vezes se for preciso a pessoa quando falar do assunto e tenha certeza que você estará sendo o verdadeiro companheiro das horas difíceis. Não evite o assunto, não fuja da pessoa que está passando por essa dor. O que ela mais precisa nesse momento é carinho, atenção e saber que tem alguém que está ali ao seu lado, no mínimo sendo solidário com o seu sofrimento.

Faça isso de coração, com a maior sinceridade possível. Caso o contrário apenas respeite o momento difícil de sofrimento das pessoas.

Vamos enfrentar a morte, as perdas, com sofrimento, com dor muita dor, mas não podemos decepcionar quem já foi, continuando mesmo com a dor o caminho e a história que cada um constrói por aqui até chegar o momento da morte de cada um de nós. Isso é a vida, a morte também faz parte da vida. Isso é viver como seres humanos.

 

Era isso por hoje.

Obrigada pela visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Uma abraço