Porto Alegre – muita violência

Oi Gente

Acabo de chegar de Porto Alegre e faz alguns dias que estou sem entrar por aqui. Confesso que a experiência de ficar esses dias sem computador não foi lá muito legal, mas por outro lado deu para perceber que é possível sim viver, um tempo curto,  sem a tecnologia. Foram momentos de encontros com pessoas, muita conversa e observação do dia a dia da cidade de Porto Alegre.

porto alegre 1

 

Para quem me conhece sabe que de vez em quando estou indo para Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Mas, desta viagem curta que fiz para lá,  sinceramente voltei com um sentimento de tristeza. Porto Alegre é uma cidade  linda, com muitos lugares para passear, de um povo mais tranquilo e receptivo e, nesses dias, não foi bem essa a visão que pude trazer de lá…

Todos nós sabemos que o nosso país, infelizmente, apresenta grandes índices de violências e que a mídia se aproveita disso para ganhar audiência, fazendo dessas notícias manchetes e mais manchetes. Mas o caso da cidade de Porto Alegre me chamou a atenção, pois com o fato do não pagamento dos servidores públicos, a polícia se encontra em greve atendendo somente casos de estupro e assassinato, o que vale dizer que a população se encontra sem proteção.

Então fico pensando. A gente escuta, visualiza notícias na mídia e vão aparecendo casos aqui e acolá, mas o que vi em Porto Alegre dessa vez foi algo diferente, algo que está presente nas pessoas, um certo medo mesmo do improvável.

Para se ter uma ideia, um grande número de  pessoas foram abordadas e assaltadas na rua em plena luz do dia, geralmente por adolescentes utilizando-se de faca e furando as pessoas, é isso mesmo furando sem mais ou menos as pessoas na altura do quadril. Não é uma loucura?

Muitas crianças e adolescentes sendo assaltados próximos as escolas, por causa de seus celulares, tênis, mochilas, etc. aumentando o número de crianças e adolescentes com traumas emocionais, gerando problemas dentro das famílias.

Assaltos a carro então está uma loucura por lá.

Por que estar postando uma coisa assim no meu Blog, onde gosto de falar somente de coisas boas da vida? Porque como brasileira que sou não tem como a gente tampar as sérias questões por quais estão passando o nosso povo e os efeitos que isso podem gerar na vida de cada um de nós.

Conversei com um taxista, o mesmo me contou o que fez para poder continuar a trabalhar para o sustento de sua família.  Após ter sido vítima de um assalto ao seu carro, ele desencadeou uma  Síndrome do pânico e todos os efeitos nocivos emocionais em função do ocorrido. Teve que parar de trabalhar para realizar o tratamento e foi obrigado a deixar de trabalhar como taxista, função que exercia há mais de 30 anos na capital gaúcha.

Como sua aposentadoria mal atende suas necessidades para compra de remédios para ele e sua esposa, o mesmo passou a exercer esse trabalho particular, com seu carro sem nenhuma propaganda, solicitando aos amigos e parentes a divulgação do trabalho dele, pois hoje só consegue carregar em seu veículo pessoas que sejam indicadas por aqueles que ele confia.

Gente, vamos escutando uma história aqui outra história de violência alí e não tem como não questionarmos onde vai parar o nosso país? Até onde o brasileiro terá que sofrer ainda para esse país dar certo?

Acabei aproveitando esse espaço aqui como um desabafo com vocês, mas ao mesmo tempo é para dizer que não fechem os olhos achando que isso não é bem assim e que tem gente exagerando. Infelizmente estamos sim vivendo um momento de muito apreensão e de termos cuidados maiores com a nossa segurança, uma vez que estamos em uma fase no país onde o descredito nas instituições estão tão grandes como nunca.

A nossa sobrevivência é algo de mais precioso e é o maior objetivo da gente nessa vida. Sobreviver o maior tempo possível e de preferencia com qualidade de vida. Nesse momento crítico de nosso pais, já não se trata muito de qualidade de vida mas de sobrevivência não é mesmo?

Enfim gente,  temos que aproveitar esse momento para rever muita coisa, sermos solidários entre aqueles que ainda acreditam no bem desse país e a medida do possível, cada um pensar em soluções viáveis para garantir no mínimo a segurança de poder ir e vir.

Quanto aos nossos amigos, parentes e irmãos gaúchos de Porto Alegre, o desejo que essa situação ai em sua cidade possa se normalizar e que os servidores sejam remunerados pelos seus serviços o mais rápido possível para poderem prestar os serviços a população que se encontra totalmente desprotegida.

Um abraço.