Frustração pode levar a violência e a agressão?

Oi Gente

Retornei de viagem do Rio Grande do Sul e na volta passando por Porto Alegre, novamente me chamou a atenção o fato do aumento da violência que está naquela cidade tão linda. É notório os problemas que a cidade vem enfrentando com relação ao controle do aumento de criminalidade e muitas vezes aumento do número de mortes, sem uma real causa aparente, deixando a população literalmente com medo.

Pensando sobre isso, e observando que esse assunto e esses fatos não são somente desafios para Porto Alegre e sim no nosso país de um modo geral, onde observa-se todos os dias o aumento da violência, me lembrei de um trabalho que há muito tempo havia feito sobre esse assunto e trouxe um pouco disso por aqui para você.

O post de hoje é para a gente refletir sobre isso que estamos presenciando a cada momento e pensar um pouco a respeito…

Violência x Agressão x Frustração

 

 

Freud (in Kunzler e Conte, 2005) citado por Piva, A. et al, 2007, no diz que “ a violência é inerente ao homem. A violência tem mobilidade, pode circular, pode estar delegada ao Estado ou retornar para o homem mas é destrutiva se contenta-se em submeter o homem, não em matá-lo”.

De acordo com Freud, Mc Dougall, Lorenz e outros, o ser humano possui um impulso inato ou um instinto para luta como forma de sobrevivência, assim como sentem fome, sede, necessidades sexuais e a agressão também é uma necessidade.

Os animais lutam pelo seu alimento, pela garantia de seu território, pela proteção de suas crias, etc e chegam a matar para garantir essa posição, mas isso é relativo ao instinto de sobrevivência. Fome e sexo podem estar em jogo, uma vez que o macho dominante quer garantir a escolha de suas fêmeas, bem como os melhores pedaços dos alimentos. (FEEDMAN, CARLSMITH, SEARS, 1970, p. 112).

Verificamos uma luta pelo domínio e garantia de se posicionar no poder perante os machos mais fracos, e também é uma maneira para posicionar aqueles animais no bando que deverão fazer a defesa do grupo. Assim a luta é para o domínio e não deve ser interpretada como impulsos instintivos de agressão.

Segundo Lorenz(1963), citado por Feedman, “observou peixes  tropicais numa variedade de circunstâncias semelhantes à que acabamos de descrever. Relatou ele que certos peixes machos atacam normalmente os outros machos da mesma espécie mas ignoram os demais peixes.  Entretanto, se todos os machos da […] . E se todos os peixes forem retirados exceto uma fêmea da sua própria espécie, ele acabará por atacá-la e matá-la.  Lorenz interpretou esse comportamento como demonstrativo de que os peixes têm necessidades instintivas de agressão e de que, quando os seus alvos habituais são removidos, essas necessidades levam-nos a atacar qualquer outro alvo ao seu alcance”.

Frustração

Segundo Feedman et al, 1970 “a frustração é a interferência ou o impedimento na consecução de um objetivo. Um dos princípios básicos da Psicologia é que a frustração tende a despertar sentimentos agressivos”.

Observamos nas sociedades capitalistas, onde o incentivo ao consumo é muito grande, há uma alta taxa de frustração entre os indivíduos.  As depressões econômicas por exemplo podem produzir frustrações que afeta grande número dos habitantes de um determinado país. A falta de emprego, a falta de acesso aos bens de consumo, a própria insegurança diante das fases da vida acaba tendo como consequência o desenvolvimento de todas as formas de agressão. (FEEDMAN, 1970, p. 115).

Outro ponto que os autores nos chamam a atenção é em relação ao tipo de frustração e de como ela é tratada. Se por exemplo uma professora nega a ida dos alunos a um zoológico e esses ficam frustrados podem gerar uma certa agressividade em relação a professora, mas se essa não ida for justificada pela professora que devido ao mal tempo e o perigo diante de visitar o zoológico com chuva, essa mesma frustração pode ser diminuída. “A compreensão de uma situação por um individuo influencia a sua reação às frustrações”. (FEEDMAN, 1970, p. 116).

Deslocamento da agressão

A frustração pode levar a agressão e essa agressão quando não pode ser atuada junto aquele fato que a gerou ela vai deslocar para algum lugar, alguma pessoa.

“O principio básico do deslocamento é que quanto mais semelhante uma pessoa for com a causa original de frustração, mais fortes serão os impulsos agressivos do indivíduo em relação a essa pessoa. “ (FEEDMAN, p. 124).

Sendo assim gente, em momentos como esse que estamos vivendo, onde a dificuldade de atingir objetivos antes imagináveis, segundo a teoria desse autor, pode sim aumentar e muito a agressividade, a violência. Violência essa que poderá ser direcionada a qualquer pessoa que faça com que você lembre da sua própria frustração.

Quando se fala em violência, nem sempre estamos falando simplesmente de violência física. Existem vários tipos de violência, violências essas como psicológicas, violências verbais,  que podem ser igual ou muito pior que a violência física.

Você já deve ter presenciado situações em que uma pessoa fala algo a outra que a ofende profundamente, e depois dá uma risadinha em seguida dizendo a velha frase “eu estava brincando”, “nossa não era para você se ofender assim”, etc.  Então, pode-se dizer por esse tipo de exemplo, que é sim um tipo de violência verbal, principalmente se o que é dito em frente a outras pessoas possa colocar o agredido em situações desconfortantes.

Então gente, durante períodos críticos que estamos passando em nossa sociedade, vale lembrar que precisamos estar atentos para que qualquer tipo de violência seja observada, analisada e, se possível, evitá-la o máximo possível. Pois esses tipos de violência geralmente desencadeiam vários tipos de doenças inclusive.

Os pais de crianças pequenas devem sempre estar observando os seus filhos, se estão com alguma mudança no seu comportamento, para poder questionar ou verificar se não estão sofrendo algum tipo de violência, como o bullying por exemplo.

Citei aqui a cidade de Porto Alegre, por observar que nessas duas últimas visitas a ela, essa questão vem se agravando. Porto Alegre já está entre as 50 cidades mais violentas do mundo, de acordo com um levantamento de uma ONG mexicana. (veja referencia abaixo).

Temos que acreditar que esse período vai passar, que o país vai retornar a um novo crescimento e as pessoas também poderão lidar melhor com as suas frustrações, diminuindo assim a agressividade e violência.

Era isso por hoje.

Obrigada pela visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.

 Referências:

FREEDMAN L. J.;  CARLSMITH  J. M.;  SEARS,D. O. Psicologia Social. São Paulo: Cultrix, 1970. 487 p.

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/01/porto-alegre-esta-entre-as-50-cidades-mais-violentas-do-mundo-segundo-ong-mexicana-4960307.html