Quem foi Karen Horney?

Oi Gente

Hoje trouxe aqui para você um pouco sobre essa psiquiatra e psicanalista que estudou as Necessidades e Tendências Neuróticas e desenvolveu outras teorias. Embora tenha sido treinada nas doutrinas de Freud não seguiu fielmente o campo freudiano. Vamos então tentar verificar por onde foi as suas teorias.

Karen Danielsen Horney (1885-1952)

Karen nasceu em uma pequena cidade próxima a Hamburgo, na Alemanha. Na época de seu nascimento o pai estava com 50 anos e a mãe com 33. O pai vivia fora, era um capitão de navio e era muito rígido, religioso, dominador, rabugento e a mãe completamente oposto do pai. A mãe não escondia o desejo de que o marido morresse e confessou a Karen que não tinha casado por amor e sim por medo de ficar solteirona.

Karen cresceu não se sentindo desejada pelos pais, tinha uma inveja grande do irmão mais velho por achar que era o preferido dos pais, além de ser menino, pois tinha muito mais liberdade do que as meninas. Mas ela se orgulhava de ser melhor que seu irmão Berndt na escola. “Aos 16 anos, ela escreveria em seu diário: “Por que me é dado tudo que há de bonito na Terra menos a coisa mais elevada, o amor?

Primeiramente como forma de ser amada pelos pais, ela até os oito anos de idade decidiu ser submissa e ser uma criança-modelo, como essa maneira de ser não teve o resultado esperado, decidiu então ser rebelde e já que sabia que não era bonita decidiu ser inteligente.

“Quando adulta, percebeu quanta hostilidade desenvolvera quando criança. Sua teoria descreve como a falta de amor na infância estimula a ansiedade e hostilidade, dano, assim um outro exemplo de uma teoria elaborada inicialmente em termos pessoais e intuitivos.”

A sua carreira foi bem sucedida e influenciada por um atendimento médico aos 12 anos, onde se sentiu tratada gentilmente, resolveu estudar medicina mesmo com a oposição do pai. Em 1906, entra na Universidade de Freiburg.

Passou por diversas experiências de namoros, pois havia percebido que estar apaixonada ajudava temporariamente a se livrar da ansiedade e insegurança. Mas após vários romances, e um casamento de 17 anos que chega ao fim, com 3 filhas desse envolvimento,  e se sentindo infeliz e oprimida, com crises de choro, dores de estômago e fadiga cronica, vai buscar na psicanálise um tratamento para seus problemas, uma vez que os envolvimentos amorosos não estavam resolvendo a sua depressão e outros problemas emocionais.

 

Resultado de imagem para Karen Danielsen Horney

Karl Abraham foi seu analista  e “atribuiu os seus problemas à atração por homens poderosos que ele explicou ser um resíduo dos seus desejos edipianos infantis pelo pai poderoso”.

De acordo com Horney “a necessidade de segurança refere-se à busca de segurança e libertação do medo. Ela depende do fato de a pessoa ser amada e desejada quando criança. Quando essa segurança é enfraquecida, induz-se à hostilidade, que pode ser reprimida pela criança em virtude de uma sensação de desamparo, medo do pais, da necessidade de receber afeto dos pais ou da culpa em relação a expressar a hostilidade. Reprimi-la leva à ansiedade básica, definida como uma sensação de se estar só e indefeso num mundo hostil”. p. 152

“A imagem da natureza humana de Horney é mais otimista do que a de Freud. Uma pessoa é diferente da outra e não está fadada ao conflito. Embora as influências da infância sejam importantes, as experiências posteriores também moldam a personalidade. O objetivo principal da vida é a realização do self, uma ânsia inata de crescer, que pode ser estimulada ou obstruída por forças sociais. Segundo ela, podemos moldar e mudar conscientemente nossa personalidade”.

Os seus livros despertaram muito interesse devido ao movimento feminista que se iniciou na década de 60. “O que ela escreveu sobre a psicologia e a sexualidade femininas pode ser a sua contribuição mais influente e valiosa para os estudiosos a propósito do papel das mulheres na sociedade”.

O objetivo desse post foi apenas de apresentar essa psicanalista que criou suas teorias com um olhar mais voltado pelas influências da cultura no desenvolvimento da personalidade.

Era isso por hoje gente.

Obrigada pela visita. Te espero por aqui.

Um abraço.

 

Referência: Teoria da Personalidade de Schultz & Schultz.

Fotos disponíveis no google.