O que pensar sobre isso: somos todos solitários

Oi gente

O objetivo do post é dividir aqui com você algo que, as vezes, você poderá não concordar comigo, mas vau tentar falar um pouco a respeito.

Fog - Silhouette of a young man walking down the street on a foggy evening

Em uma das minhas sessões de análise, saí de lá angustiada com esse corte: Até aonde você ainda não entendeu que somos só? Fiquei refletindo a respeito e acho que nesse momento de pandemia isso tem me feito pensar a respeito e até mesmo concordar, plenamente, a respeito desse corte.

Na realidade, ninguém sabe sobre o outro ou os outros que estão em nossa volta. O homem não sabe nada da mulher e a mulher não sabe nada do homem.

São as fantasias de nossas infâncias que, geralmente, trazemos para nossas relações amorosas.

Pensando bem, o amor não deixa de ser ilusório, pois somos de certa forma só. Temos o costume de buscar no outro uma completude para o nosso vazio que jamais será possível alcançar. E é essa falta de completude que nos faz movimentar na vida.

Pessoas que gostam de ficar sozinhas são as mais inteligentes e leais que você pode conhecer - Psiconlinews

Vamos pensar: É só imaginar algo que está vazio e você quer preencher e aí corre atras, mas nunca se completa e isso te movimenta, dia após dia, querendo essa completude que jamais irá acontecer.

Embora saibamos que somos seres sociais, isso não nos impede de perceber que somos únicos e, na verdade, sós e é com isso que precisamos lidar, ou seja, buscar em nós mesmos aquilo que nos possa passar por essa vida de uma maneira menos sofrível.

É nas atividades, produções e escolhas que você faz por você mesmo que poderá preencher esse vazio e, embora saiba que não completude, esse buraco poderá deixar de ser tão profundo. Por isso, estar em movimento é necessário e de preferência se ouvindo e tentando bancar os seus desejos.

Segundo Lacan, o inconsciente se estrutura como uma linguagem. Mas onde está o inconsciente? O inconsciente está na linguagem e é por isso que ele só está nos humanos, ou seja, nos seres falantes.

O interessante, quando decidimos fazer uma análise, o que você realmente vai buscar lá? Lá nesse encontro entre analista e analisante, você irá falar e o analista irá te dar uma escuta, mas essa escuta será remetida a você mesmo para que possa se escutar.

Embora você possa ir até uma análise para buscar respostas sobre você mesmo, a condução da análise fará com que você, através da relação da linguagem com o seu inconsciente, possa elaborar aquilo que é do seu saber e não do saber do analista. O analista apenas através da escuta daquilo que você fala ele o fará com que você possa se aprimorar daquilo que é o seu saber, embora você ache que não saiba.

É uma experiência linda poder passar por uma análise, onde você poderá se conhecer, se respeitar e, principalmente, bancar os seus desejos que são inconscientes.

Entendi que nesse sentido, como somos únicos e insubstituíveis nesse mundo, também somos solitários e sós, mesmo que rodeados de pessoas que escolhemos caminhar juntos nesse tempo que temos em vida.

Isso não quer dizer que você não tenha relações, trocas simbólicas e adore conviver com demais pessoas, mas aquilo que é seu saber, seu inconsciente te mostrará através dessa análise.

Ser só e solitário não significa ser triste ou abandonado, talvez, faz-nos pensar apenas que como dizia Freud: Não há uma receita para felicidade, cada um que procure a sua.

Nesse momento de pandemia, se você pensar bem, isso está mais claro, pois diante do real, do não saber e não ter respostas para como lidar com esse Covid-19, cada um tem que buscar em si mesmo as formas de conviver, escolher e se responsabilizar com o que fazer com isso. E, talvez, é um momento onde você possa refletir sobre o fator de que somos sós e solitários.

Enfim, fique com suas reflexões e deixe sua opinião a respeito, caso queira.

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.