Fado um estilo único da música portuguesa

 

Oi Gente

O post de hoje é sobre esse estilo de música único chamada Fado. Embora o nosso país tenha sido colonizado pelos portugueses, acredito que muito pouco o nosso povo saiba sobre esse país e esse estilo de música que é característico de Portugal. Resolvi buscar algumas informações a respeito e divido aqui com você. 

Esse post pretende apenas trazer o mínimo de informações que acho interessante para que você possa ter uma ideia do que se trata o fado, o que não impede, caso tenha interesse, em continuar a buscar mais informações sobre o assunto…

Fado. Cartazes bem antigos - Lisboa:

Em 1993, foi a primeira vez que tive o prazer de fazer uma viagem à Europa e o primeiro país que cheguei foi em Portugal, estava acompanhando meu marido em um Congresso Mundial sobre uma planta chamada Lupinus (acho que é isso mesmo o nome). Embora eu seja casada com um pesquisador, na área da agronomia, não entendo muito dessa área, somente o que escuto por aí quando o acompanho em alguns eventos, ou ainda pela convivência mesmo. 

Enquanto o interesse dele e estudos é dessa área de agricultura, eu já me interesso pela cultura e comportamento do povo, por onde tenho oportunidade de passar. E nessa viagem à Portugal, foi a primeira vez que tomei conhecimento sobre o Fado e te confesso que fiquei encantada.

Visitar Portugal nos dá aquela sensação de quando vamos à casa dos avós. É incrível como a gente percebe por lá e observa o quanto que o Brasil trouxe dessa cultura. Tem lugares que você passa e pensa: Ah!  é bem isso que levaram para o Brasil. Mas, posso até estar falando besteira por aqui, acredito que esse tipo de música tão típica de Portugal, não foi tão divulgada ou incorporada em nossa cultura.

O Fado geralmente é cantado por uma só pessoa, acompanhado ao som da guitarra portuguesa e também da clássica, também conhecida como viola. As letras das músicas geralmente se referem a temas de melancolia, histórias do quotidiano, frustração e alguns temas fatalistas.

Como surgiu esse tipo de música em Portugal?

De acordo com o histórico do Museu do Fado, http://www.museudofado.pt/gca/index.php?id=17  onde escreve sobre a história do fado, diz que o mesmo nasceu nos ambientes populares de Lisboa oitocentista, onde ele estava presente no convívio e momentos de lazer. Era uma manifestação de forma espontânea, sendo que a execução poderia ocorrer dentro ou fora dos ambientes, nas ruas, nas vielas, nas tabernas, cafés de camareiras e os temas se referiam a narrativa do cotidiano, vinculado aos contextos sociais “pautados pela marginalidade e transgressão, em ambientes frequentados por prostitutas, faias, marujos, baleeiros e marialvas. Muitas vezes surpreendidos na prisão, os seus atores, os cantadores, são descritos na figura do faia, tipo fadista, rufião de voz áspera e roufenha, ostentando tatuagens, hábil no manejo de navalha de ponta e mola, recorrendo à gíria e ao calão. Esta associação do fado às esferas mais marginais da sociedade ditar-lhe-ia uma vincada rejeição pela parte da intelectualidade portuguesa.” 

Já pesquisando mais um pouco a respeito, achei interessante uma notícia, onde fala sobre a origem do fado, que o mesmo não é só de Lisboa. José Aberto Sardinha, pesquisou sobre o fado durante vários anos e diz que: “o fado tem a sua gênese no romanceiro tradicional”. 

Esse investigador comenta, ainda: “Há 35 anos que sou investigador da música de tradição oral no campo. E, como tal, o fado não ocupava as minhas preocupações. Também eu partia do preconceito que toda a gente tem de que o fado é uma canção de Lisboa e que, portanto, não tem nada a ver com o campo. Nessas minhas investigações no terreno, ia gravando alguns fados bailados, que apareciam sempre. Claro que, na altura, levava isso sempre à conta de que seriam importações do campo em relação à cidade. Mas, que é verdade é que sempre notei que havia um certo gênero poético musical muito semelhante ao fado, em termos melódicos e na própria entoação”.

“O investigador explica que essas semelhanças entroncam no romanceiro tradicional. “O romanceiro tem a sua origem nas gestas em que se narravam histórias da guerra contra os mouros e que, a partir do século XVI, começou a contar histórias de amores e desamores de reis e de rainhas e que mais tarde, no século XVII, passou a contar histórias do dia a dia de gente simples. Todo esse repertório foi, durante séculos, cantado por músicos ambulantes, os jograis, e, posteriormente, pelos ceguinhos”. https://www.jn.pt/artes/interior/onde-e-que-o-fado-nasceu-1583721.html

A famosa guitarra portuguesa

Portuguese Guitar | #Portugal #wine #Porto:

A guitarra portuguesa tem a forma de uma pêra. “É constituída de seis pares de cordas e já teve diversas afinações, mas a que realmente se enraizou foi a afinação de Fado: a começar pelas cordas, Si-Mi-Si-Lá-Ré.”

Para se fabricar uma guitarra portuguesa, são usadas madeiras importadas “desde a Idade Média, já que os fundos e ilhargas da guitarra têm de ser fabricados em pau-santo, ácer ou mogno. O tampo é executado em spruce, ou pinho da Flandres.  Segundo Pedro Caldeira Cabral, atualmente uma das maiores autoridades em guitarra portuguesa e música antiga “a grande diferença entre uma boa guitarra e uma má, feitas exatamente com a mesma madeira está na mão do construtor”.

Quanto aos tipos de guitarra portuguesa são três: a de Porto, de Lisboa e de Coimbra, com diferentes formas tradicionais de fabricação. A mais pequena delas, com caixa baixa arredondada e o som é mais brilhante, é a de Lisboa. A maior, com o corpo mais aguçado é a de Coimbra e, a de Porto é bem semelhante à de Lisboa. A diferença delas está na cabeça das guitarras.

Mais detalhes sobre guitarras você poderá obter nesse site: http://nfist.pt/sf/sf3/musica/guitarra.htm

Sobre as letras das músicas

As primeiras letras de Fado eram, na sua maioria, anônimas. Eram transmitidas pela tradição oral, mas, em meados da década de 20, através de alguns poetas populares, começam a dar ao fado uma particular atenção.  “A partir dos anos 50, o fado cruzar-se-á definitivamente com a poesia erudita na voz de Amália Rodrigues. A partir do contributo decisivo do compositor Alain Oulman, o fado passará a cantar os textos de poetas com formação acadêmica e obra literária publicada como DAvid Mourão Ferreira, Pedro Homem de Mello, José Régio, Luiz de Macedo e,mais tarde, Alexandre O’Neill, Sidónio Muralha, Leonel Neves ou Vasco de Lima Couto, entre muitos outros.”

De todos esses nomes acima, o único que conheço é o de Amália Rodrigues, até porque trouxe um cd dela na época e ouvi bastante os fados por ela cantados. 

 

Quem foi Amália Rodrigues?

Quem gosta e conhece um pouco sobre o fado, com certeza, sabe bem quem foi Amália Rodrigues e a sua grande trajetória de vida ligada a esse estilo de música.

O seu nome completo Amália da Piedade Rodrigues Lisboa, que nasceu em julho de 1920 e faleceu no ano de 1999, com 79 anos. Foi uma fadista, atriz e a grande divulgadora da cultura portuguesa, conhecida mundialmente por rainha do Fado.

“A sua faceta de cantora cedo se revela. Amália era muito tímida, mas começa a cantar para o avô e os vizinhos, que lhe pediam. Na infância e juventude, cantarolava tangos de Carlos Gardel e canções populares que ouvia e lhe pediam para cantar.”

Amália gravou em torno de 150 álbuns, promovendo e divulgando o fado, bem como a língua e a cultura portuguesa.

 

 

 

 

Ouvir essas músicas, com um bom vinho e um prato de bacalhau, é tudo de bom. Estou aqui fazendo esse post e pensando nos imigrantes portugueses, onde muitos nunca puderam retornar a Portugal. Imagino as saudades que devem sentir ao ouvir um Fado. 

O que gosto nas letras de Fado é que todas elas contam uma história e realmente a gente percebe o sentimento que está em quem canta um fado, parece que canta com a alma.

“Se a simplicidade da estrutura melódica do Fado valoriza a interpretação da voz, ela sublima também os repertórios cantados. Com forte pendor evocativo, a poesia do fado apela à comunhão entre intérprete, músicos e ouvinte. Em quadras ou quadras glosadas, quintilhas, sextilhas, decassílabos e alexandrinos, esta poesia popular evoca os temas ligados ao amor, à sorte e ao destino individual, à narrativa do quotidiano da cidade. Sensível à injustiças sociais, revestiu-se inúmeras vezes, de um vincado carácter de intervenção”.

A nova geração de fadistas,  continuam cantando e divulgando a música, principalmente em lugares visitados por turistas como as “casas de fados”.

Enfim, o fado português pode-se pensar que faz parte da tradição portuguesa e todo português de raiz ou descendentes acredito que sabe bem o que significa esse estilo de música, uma marca da cultura de seu país. 

 

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.