Como foi o crime das irmãs Papins?

Oi gente

O post de hoje tem como objetivo trazer aqui para você um pouco dessa história sobre o crime das irmãs Papins. Esse crime aconteceu na França, no ano de 1932, e que você poderá conhecer um pouco também através do filme que tem disponível no youtube com o nome Entre Elas.

Lacan publicou na revista Minotaure um artigo: “Motivos do Crime Paranóico: O Crime das irmãs Papin”. Esse crime foi muito discutido pelos intelectuais da época, abordando inclusive sobre o problema de diferenças de classe, uma vez que o mesmo aconteceu dentro de um contexto burguês, onde era  notória também essa questão social. Mas, o tipo desse crime que chocou um país, naquela época, tinha algo a mais a ver com a estrutura psíquica das irmãs Papins.

Tentei colocar aqui no post o filme, que encontrei disponível no youtube, o que seria interessante assistí-lo primeiro, para depois ler o artigo de Lacan a respeito.

 

Esse filme se refere a um caso verídico acontecido na França, em uma cidade do interior, Le Mans, no dia 02 de fevereiro de 1933, que chocou a cidade e o país e muitos intelectuais da época escreveram sobre o assunto, como uma forma de tentar entender o que levaria as duas irmãs a cometer esses crimes da forma como ocorreram.

SINOPSE:

A história se passa na cidade de Le Mans, no interior da França, onde já se encontrava trabalhando a irmã mais velha de 28 anos Christine, a qual morava junto a família de um advogado, com sua esposa e filha. Passado algum tempo, sua irmã Léa, de 21 anos, se apresenta a patroa e é aceita ao emprego. A Patroa a recebe em casa, considerando que havia vantagens nessa contratação, até porque ocupariam o mesmo quarto. As duas ficavam hospedadas, após os serviços diários, no sótão dos patrões.

As irmãs tiveram um período de sua educação em um orfanato de freiras, onde aprenderam disciplina e trabalhos feitos com muita qualidade, o que agradava a patroa, a qual era muito exigente quanto a questão limpeza. Christine e outra sua irmã foram encaminhadas para um orfanato durante a infância, administrado pelas freiras. Léa, a preferida da mãe continuou com a mesma, gerando em Christine uma revolta sobre a própria mãe pela abandono.

A relação entre as empregadas e os patrões tinham um certo ar de mistério, pois as mesmas não se comunicavam através da fala. Christine, como irmã mais velha sempre se colocando como protetora da mais nova, vai aos poucos apresentando um comportamento de controle sobre a mesma.

Em uma noite, após um incidente com um ferro de passar roupas e com medo da reação da patroa ao retornar a casa e ver a sua roupa queimada, as irmãs, quase em pânico, se refugiaram em seu quarto aguardando a chegada da patroa para falar do ocorrido.

No retorno da patroa e sua filha, onde observa o ocorrido a mesma se dirige até o sotão e  através de palavras carregadas de ódio inicia uma discussão com Christine e, quando essa se refere a irmã Léa, num ímpeto irracional e tomada de ira, os assassinatos acontecem de repente. As irmãs como que tomadas por algo mais forte que elas, matam a patroa e a filha, utilizando-se de ferramentas e cometem as maiores atrocidades durante os assassinatos. Após o ocorrido, as autoridades as encontram juntas em seu quarto, em sua cama, nuas….

Caso queira assistir o filme: 

 

 Lacan escreve para a revista Le Minotaure, 1933-1934 – n 3/4, dezembro de 1933 p. 25-28. conforme transcrito abaixo.

Encontrei, na referencia abaixo, o que segue. Estava em espanhol, e talvez em português possa haver algum problema de tradução, mas acredito que dá para se ter uma ideia do que foi dito, na ocasião.

LACAN, J. (1933), “Motivos del crimen paranoico: el crimen de las …

88.27.249.81/psico/sesion/ficheros…/descargaficheros.php?..

 

JACQUES LACAN (1933)

Razões para o crime paranóico: o crime das irmãs Papin

Publicado pela primeira vez em Le Minotaure, 1933-1934, nº 3/4, dezembro de 1933, p. 25-28.
Posteriormente publicado em De la psychose paranoïaque, Op. Cit., P. 389-398.

Mais informações sobre este artigo podem ser encontradas em:

– A série de documentos reunidos e apresentados por J. ALLOUCH em “Exorbitant Soeurs Papin” no Littoral, nº 9 (“La discursivité”), junho de 1983, p. 127-146.

– Francis DUPRÉ (pseud. Por J. Allouch), a “solução” da passagem à l’acte. Le double crime des soeurs Papin, Ed. Eres, Toulouse, 1984.

Damos aqui a nossa tradução desta escrita que aparece entre as primeiras obras originais de Lacan em torno da paranóia.

Juan Bauzá

 

Ao Dr. Georges Dumas, com um afeto respeitoso.

 

Recordamos as horríveis circunstâncias do massacre de Le Mans e a emoção que suscitou na consciência pública o mistério dos motivos dos dois assassinos, as irmãs Christine e Léa Papin. A essa preocupação, a esse interesse, respondeu na imprensa uma informação muito ampla dos fatos, através das inteligências mais inteligentes do campo do jornalismo. Aqui, então, não faremos mais do que resumir os fatos do crime.
As duas irmãs, uma de vinte e oito e a outra de vinte e um, trabalham há vários anos como criadas em uma casa de  ​​burgueses da pequena cidade provincial, casa de um advogado, esposa e filha. Cozinheiros criados, foi dito, excelentes trabalhadores (enviées au menaje); Assim, se  observou que os maestros parecem ter sido estranhamente faltos de simpatia humana, não há nada a dizer que a altivez indiferença dos criados se limitou a corresponder a essa atitude; de um grupo para o outro, “eles não foram falados”. Este silêncio, no entanto, não podia estar vazio, mesmo que fosse escuro aos olhos dos atores.
No dia 2 de fevereiro, ao anoitecer, essa escuridão se materializa devido a um apagão doméstico trivial da eletricidade. A decomposição foi provocada por uma torpeza das irmãs, e os ausentes patronos já mostraram, por causa de insignificantes bagatelas, reações de humor muito vívidas. O que a mãe e a filha disseram quando voltaram para encontrar a bagunça comum? As respostas de Christine variaram nesse ponto. Em qualquer caso, o drama é desencadeado muito rapidamente e, na forma do ataque, é difícil admitir outra versão do que a dada pelas irmãs, a saber, que foi repentina, simultânea e levada repentinamente ao paroxismo da fúria: cada uma toma posse de um adversário, tira seus olhos de suas órbitas (inédito, como foi dito, nos anais do crime) e depois o termina. Então, com a ajuda de tudo ao alcance, um martelo, um jarro de lata, uma faca de cozinha, eles se irritam com os cadáveres de suas vítimas, esmagam seus rostos e, tirando-os de seu sexo, esfaqueiam profundamente as coxas e as nádegas de um para esfregar com esse sangue as coxas e as nádegas do outro. Eles imediatamente lavam os instrumentos desses ritos atrozes, purificam-se e deitam-se na mesma cama. “Essa é a fórmula que eles trocam e que parece dar o tom da desencarnação (destruição), esvaziado de toda emoção, o que acontece nelas à orgia de sangue.
O juiz não lhe dará qualquer motivo compreensível para o seu ato, nenhum ódio, nenhum erro contra suas vítimas; Sua única preocupação parecerá ser compartilhar toda a responsabilidade pelo crime. Antes de três médicos especialistas serão mostrados sem delírio, nem demência, sem qualquer transtorno psíquico ou físico atual, e eles serão obrigados a registrar esse fato.
No fundo do crime, existem alguns dados que são muito imprecisos, aparentemente, para que possam ser levados em conta: os esforços incoerentes das irmãs perante o prefeito para obter a emancipação da irmã mais nova; um secretário geral que os encontrou “loucos” (“piquées”); um comissário central que testemunha ter considerado “perseguido”. Há também o vínculo singular, sua imunidade a qualquer outro interesse, os dias de descanso que passam juntos e em seu quarto. Mas alguém, até então, ficou perturbado por tais estranhezas? Também omitiu a informação de um pai alcoólatra brutal, que teria violado uma de suas filhas, bem como o abandono precoce de sua educação.

Após cinco meses de prisão, Christine, isolada de sua irmã, apresenta uma crise de agitação violenta, com alucinações aterrorizantes. Durante outra crise ele tenta remover os olhos, sem sucesso, é claro, mas não sem ferimentos. A agitação furiosa torna necessário desta vez o uso da camisa de força. Dá-se exibições eróticas; surgem sintomas de melancolia: depressão, recusa de comida, auto-acusação, atos expiatórios de caráter repugnante; mais tarde, em várias ocasiões, ele liberou frases de significado delirante. Christine afirmou ter simulado um desses estados. Digamos, no entanto, que esta afirmação não pode ser considerada de forma alguma como a verdadeira chave de sua natureza: o sentimento de jogo geralmente é experimentado em tais estados pelo sujeito, sem que seu comportamento seja, portanto, menos tipicamente morboso.
Em 30 de setembro, as irmãs são sentenciadas pelo júri. Christine, ouvindo que sua cabeça será cortada na praça de Mans, recebe esta notícia de joelhos.
No entanto, as características do crime, as rupturas de Christine na prisão, as estranhezas da vida das irmãs, convenceram a maioria dos psiquiatras da irresponsabilidade dos assassinos.

Diante da recusa de um contra-perito, o Dr. Logre, cuja personalidade altamente qualificada é bem conhecida, decidiu falar perante o tribunal como advogado de defesa. A regra do rigor era inerente ao clínico magistral, ou a prudência impostas por circunstâncias que o colocavam em posição de advogado? O fato é que o Dr. Logre não avançou nem uma, mas várias hipóteses, sobre a alegada anomalia mental das irmãs: idéias persecutórias, perversão sexual, epilepsia ou histeropelvy. Se acreditarmos que podemos formular uma explicação mais inequívoca do problema, queremos homenagear a sua autoridade, não só porque nos protege da censura de emitir um diagnóstico sem ter examinado pessoalmente os pacientes, mas também porque tem fórmulas sancionadas particularmente felizes certos fatos muito delicados para isolar, e, no entanto, como devemos ver, essenciais para a demonstração de nossa tese.

Há uma entidade mórbida, a paranóia, que, apesar das várias fortunas que sofreu com a evolução da psiquiatria, responde aproximadamente às seguintes características clássicas: a) um delírio intelectual que varia seus temas, das idéias de grandeza para as idéias de perseguição; b) reações agressivas que muitas vezes são assassinas; c] uma evolução crônica.
Duas concepções até agora se opuseram à estrutura dessa psicose: uma considera como o desenvolvimento de uma “constituição” mórbida, ou seja, de um defeito congênito de caráter; o outro designa seus fenômenos elementares em distúrbios momentâneos da percepção, que são qualificados como interpretativos por sua aparente analogia com a interpretação normal; O delírio é aqui considerado como um esforço racional do assunto para explicar essas experiências e o ato criminoso como uma reação apaixonada cujos motivos são dados por convicção delirante.
Embora os chamados fenômenos elementares tenham uma existência muito mais segura do que a chamada constituição paranóica, a insuficiência dessas duas concepções pode ser facilmente vista, e tentamos encontrar uma nova em uma observação de acordo com o comportamento da doente
Assim, reconhecemos como primordiais, nos elementos como no delírio inteiro e nas suas reações, a influência das relações sociais incidentes a cada uma dessas três ordens de fenômenos; e admitimos como uma explicação dos fatos da psicose a noção dinâmica de tensões sociais, cujo estado de equilíbrio ou ruptura normalmente define a personalidade no indivíduo.
O impulso agressivo, que é resolvido no assassinato, aparece como a condição subjacente da psicose. Pode ser chamado de inconsciente, o que significa que o conteúdo intencional que o traduz na consciência não pode ser manifestado sem um compromisso com as demandas sociais integradas pelo sujeito, isto é sem camuflagem de motivos, o que constitui todo o delírio.
Mas esse impulso é manchado (em si) em si mesmo da relatividade social: sempre tem a intencionalidade de um crime, quase que a constante de vingança, muitas vezes o senso de uma punição, isto é, de uma sanção emanada dos ideais sociais, e Às vezes, ele finalmente se identifica com o ato de moral acabado, tem o alcance de uma expiação (auto-punição). As características objetivas do assassinato, a sua seletividade quanto à vítima, a sua eficácia homicida, os seus modos de libertação e execução variam continuamente com os graus do significado humano do impulso fundamental. São esses mesmos graus que regem a reação da sociedade ao crime paranóico, uma reação ambivalente, de dupla forma, que constitui (de fato) o contágio emocional desse crime e as demandas punitivas da opinião.
Tal é o crime das irmãs Papin, por causa da emoção que desperta e que ultrapassa o seu horror, devido ao seu valor de imagem terrível, simbólico, mesmo nos seus mais horríveis detalhes [repelentes]: o mais metafórico hackeado (ônus) de ódio: “Eu arrancaria os olhos” recebem sua execução literal. A consciência popular revela o sentido que dá esse ódio para aplicar o máximo da penalidade, como a antiga lei para o crime dos escravos. Talvez, como veremos, ele é tão enganado quanto ao significado real do ato. Mas deixe-nos observar, para o uso daqueles a quem a maneira psicológica em que nos comprometemos no estudo da responsabilidade [personalidade] é consternada, que o ditado “entender é perdoar” está sujeito aos limites de cada comunidade humana, fora desses limites, entender (ou acreditar em entender) é condenar.

O conteúdo intelectual do delírio é mostrado, como dissemos, como uma superestrutura, ao mesmo tempo, justificando e negando a pulsão a criminalidade. Nós concebemos, portanto, como sujeito às variações desta pulsão, por exemplo, a queda (rampa) resultante da sua satisfação (assouram): no caso princeps do tipo particular de paranóia que descrevemos (caso Aimée) , o delírio desaparece com a realização dos fins do ato. Não é de admirar, então, que tanto ocorreu nos primeiros meses após o crime das irmãs Papin. Durante um longo período de tempo, os defeitos correlativos de descrições e explicações clássicas tornaram inevitável a existência básica de tais variações, afirmando a estabilidade de delírios paranóicos, quando a única coisa que existe é a constância da estrutura: essa concepção leva os especialistas a conclusões errôneas e explica suas dificuldades (seus embarras) na presença de numerosos crimes paranóicos, nos quais seu senso de realidade rompe, apesar de suas doutrinas, mas não gera nada neles incerteza.
No caso das irmãs Papin, devemos considerar o único vestígio de uma formulação pré-criminal de idéias delirantes como complemento do quadro clínico: se sabemos que encontramos principalmente no testemunho do comissário central da cidade. Sua imprecisão não poderia de modo algum ser motivo para rejeitá-lo: todo psiquiatra conhece a atmosfera muito especial evocada muitas vezes porque não se sabe qual o estereótipo das palavras desses pacientes, mesmo antes de serem enunciados em fórmulas delirantes. Basta que alguém tenha experimentado esta impressão apenas uma vez para que ele não possa ter o reconhecimento desprezível dela. No entanto, as funções de seleção dos centros policiais são usuais (donnent l’habitude) dessa experiência.
Na prisão, Christine expressa vários assuntos delirantes. Nós, portanto, qualificamos não apenas certos sintomas típicos de delírio, como a ignorância sistemática da realidade (Christine pergunta como são (comentam se apresentam) suas duas vítimas e declara que elas acreditam reencarnadas em otros cuerpos), mas também as crenças mais ambíguas, que se traduzem em expressões como esta: “Eu acho que em outra vida eu deveria ser o marido da minha irmã”. Em frases como essas, de fato, você pode reconhecer conteúdos que são muito típicos de delírios classificados. Além disso, é constante encontrar alguma ambivalência em todas as crenças delirantes, a partir das formas mais calmamente afirmativas de delírios fantásticos (em que o sujeito, no entanto, reconhece uma “dupla realidade”) às formas interrogativas de delírios chamados de “suposição” em aqueles que cada afirmação da realidade é suspeita.

No nosso caso, a análise desses conteúdos e dessas formas nos permitiria especificar o lugar das duas irmãs na classificação natural dos delírios. As irmãs Papin não podiam se colocar nessa forma de paranóia muito limitada que, através de tais correlações formais, isolamos nosso trabalho [no caso Aimée]. Eles provavelmente se afastariam dos quadros genéricos da paranóia para entrar na parafrênia, que o gênio de Kraepelin definiu [delimitado] como formas imediatamente contíguas. Esta precisão do diagnóstico, no estado caótico da nossa informação, seria, no entanto, muito precária. Além disso, seria pouco útil para o nosso estudo dos motivos do crime, uma vez que, como indicamos no nosso trabalho, as formas de paranóia e as formas delirantes vizinhas permanecem unidas por uma comunidade de estrutura que justifica a aplicação do mesmo métodos de análise.

A verdade é que as formas de psicose são mostradas para nós nas duas irmãs, se não idênticas, pelo menos estreitamente correlacionadas. A afirmação surpreendente de que era impossível que dois seres fossem simultaneamente afetados pela mesma loucura ou, ao contrário, para revelá-lo ao mesmo tempo, tenha sido ouvida no decorrer dos debates. É uma declaração completamente falsa. Delírios com duetos (delires à deux) estão entre as formas mais reconhecidas de psicose. As observações mostram que são produzidas eletivamente entre parentes próximos, pai e filho, mãe e filha, irmãos ou irmãs. Digamos que seu mecanismo destaca em certos casos a sugestão contingente exercida por um assunto delirante ativo em um assunto passivo e fraco. Vejamos que nossa concepção de paranóia dá uma noção completamente diferente e explica mais satisfatoriamente o paralelismo criminal das duas irmãs.

A pulsão homicida que concebemos como base da paranóia não seria, de fato, nada mais do que uma abstração insatisfatória se não fosse controlado por uma série de anomalias correlativas de instintos socializados e se o estado atual de nosso conhecimento de evolução da personalidade não nos permitiu considerar essas anomalias pulsionais em sua gênese. A homossexualidade, a perversão sádico-masoquista, tais são os transtornos pulsionais cuja existência, neste caso, apenas os psicanalistas sabiam detectar e cujo significado genético tentamos mostrar em nosso trabalho. É necessário confessar que as irmãs papins parecem contribuir com essas correlações uma confirmação que poderia ser descrita como rude: o sadismo é evidente nas manipulações (manobras) executadas sobre as vítimas, e que significado elas não tomam, à luz desses dados, o afeto exclusivo das duas irmãs, o mistério de suas vidas, as raridades da sua coabitação, a sua abordagem temerosa (seu rapprochement peureux) na mesma cama após o crime?

Nossa experiência com essas pessoas doentes nos faz hesitar, no entanto, antes da afirmação, lançada por alguns (que d’aucuns franchissent), da realidade das relações sexuais entre as irmãs. É por isso que agradecemos ao Doutor Logre a sutileza do termo “parceiro psicológico” que dá a medida da sua reserva nesse problema. Os próprios psicanalistas, quando fazem a paranóia derivam da homossexualidade, chamam essa homossexualidade inconsciente, “larvous”. Essa tendência homossexual seria expressada apenas por uma negação louca (éperdue), que estabeleceria a convicção de ser perseguida e designaria o amado no perseguidor. Mas qual é essa tendência singular que, sendo assim tão próxima da sua revelação mais evidente, sempre permanecerá separada dela por um obstáculo singularmente transparente?
Freud, em um artigo admirável, sem dar a chave a esse paradoxo, nos dá todos os elementos para encontrá-lo. Mostra-nos que, quando a redução forçada da hostilidade primitiva entre os irmãos se realiza nos primeiros estágios reconhecidos da sexualidade infantil, pode ocorrer uma inversão anormal dessa hostilidade no desejo e que esse mecanismo engendra um tipo especial de homossexuais em que predominam os instintos e as atividades sociais. De fato, esse mecanismo é constante: esse apego amoroso é a condição primordial da primeira integração às tendências instintivas do que chamamos de tensões sociais. Integração dolorosa, que marca as primeiras exigências de sacrifício que a sociedade nunca deixará de exercer sobre seus membros: tal é o vínculo com essa intencionalidade pessoal do sofrimento infligido, o que constitui sadismo. Esta integração, no entanto, é feita de acordo com a lei de menor resistência, por uma fixação afetiva muito próxima mesmo ao ego solipsista, fixação que merece o epíteto de narcisista e em que o objeto escolhido é o mais parecido com o sujeito: tal é o motivo do seu caráter homossexual. Mas essa fixação deve ser superada para chegar a uma moral socialmente eficiente. Os belos estudos de Piaget nos mostraram o progresso feito a partir do egocentrismo ingênuo das primeiras participações nas regras do jogo moral à objetividade cooperativa de uma consciência idealmente acabada.
Em nossos pacientes, esta evolução não excede seu primeiro estágio, e as causas de tal prisão podem ser de origens muito diferentes, orgânicas (defeitos hereditários), outros psicológicos: a psicanálise revelou entre eles a importância do incesto infantil. Como é sabido, seu ato parece não estar ausente da vida das irmãs.
Na verdade, muito antes de termos feito essas abordagens teóricas, a observação prolongada de múltiplos casos de paranóia, com o complemento de inquéritos sociais meticulosos, levaram-nos a considerar a estrutura da paranóia e delírios vizinhos como totalmente dominada por o destino desse complexo fraterno. Sua principal instância é manifesta (patente) nas observações que publicamos. A ambivalência afetiva em relação à irmã mais velha dirige todo o comportamento auto-punitivo do nosso “caso Aimee”.  Lacan e o Caso Aimée

Se, no decorrer de seu delírio, Aimée transpõe em várias cabeças sucessivas as acusações de seu ódio amoroso, é por meio de um esforço para libertar-se de sua primeira fixação, mas esse esforço é abortado: cada um dos perseguidores é realmente nada mais do que uma nova imagem, sempre completamente prisioneira do narcisismo, daquela irmã de quem nossa paciente a fez ideal. Agora entendemos o que o obstáculo de cristal que a faz [Aimée] nunca sabe, apesar de seus gritos, que ela ama todos aqueles perseguidores: são apenas imagens.
O “mal de ser dois” que sofrem esses sofredores não os liberta, mas apenas do mal de Narciso. Paixão mortal e morte. Aimée parece ser brilhante quem odeia precisamente porque representa o ideal que ela tem de si mesma. Esta necessidade de auto-punição, essa enorme sensação de culpa também é lida nos atos das irmãs Papin, se apenas em Christine está ajoelhada ao ouvir sua sentença (au dénouement). Mas é como se as irmãs não pudessem sequer aceitar, um respeito do outro, a distância que teria sido necessária para se machucar (para meurtrir). As verdadeiras almas siamesas formam um mundo fechado para sempre; Quando você lê suas declarações após o crime, o Dr. Logre diz: “Você acha que está lendo o dobro”. Sem mais meios do que aqueles de sua ilha, eles devem resolver seu enigma, o enigma humano do sexo.
É necessário ter ouvido muito atentamente as estranhas declarações de tais pacientes para conhecer a loucura que sua consciência em cadeia pode armar (échafse) sobre o enigma do falo e a castração feminina. Então, sabe como reconhecer nas confissões tímidas do sujeito chamado normal as crenças que estão em silêncio e que ele acredita ficar em silêncio porque ele as julga pueril, quando na realidade está em silêncio porque, sem saber, ele permanece apegado a elas.
A frase de Christine: “Eu acredito que em outra vida eu deveria ser o marido da minha irmã”, é reproduzida em nossos pacientes através de muitos assuntos fantásticos para cuja captura é suficiente para saber como ouvir. O que uma longa jornada de tortura que Christine sofreu antes da experiência desesperada do crime a rasga de si mesmo, e que ela pode, após sua primeira crise de delírio alucinante, na qual ela acredita que vê sua irmã morta, morto, sem dúvida por esse golpe, gritar ao juiz que os confronta, as palavras da paixão desiludida (désillée): “Sim, diga sim!”
A tarde fatídica, na ansiedade do castigo iminente, as irmãs misturam a imagem dos seus clientes com a miragem do seu mal. É a sua própria miséria (detesses) que detestam no casal que eles arrastam em uma brigada atroz. Eles destroem os olhos quando os bacchantes são castrados. A curiosidade sacrílega que constitui a angústia do homem desde as profundezas do tempo é o que os leva quando rasgam suas vítimas, quando espreitam suas feridas abertas sobre o que Christine, em sua inocência, chamará mais tarde, perante o juiz , “O mistério da vida”.

Enfim, o objetivo do post foi apenas trazer esse caso para seu conhecimento, por tratar de um assunto que até hoje é alvo de muitos estudos a respeito. 

Era isso por hoje.

Obrigada pela sua visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.