Mitologia Grega – A vingança de Medéia

Oi Gente

O mito de hoje é sobre a vingança de Medéia. Um mito muito conhecido, por se tratar sobre amor e ódio e suas consequências e também a triste história, onde a mãe mata seus próprios filhos para que sua vingança possa ferir o ex-marido. Apesar de ser um mito, serve para refletir sobre acontecimentos e atitudes humanas que se repetem até os  nossos dias, no mundo chamado de “civilizado”…

Quem foi Medéia?

Medéia foi uma personagem da Mitologia Grega, sobrinha da feiticeira famosa na Grécia Antiga e filha do rei Eetes,  de Cólquita. Era muito cortejada por diversos pretendentes, devido a sua inteligência, beleza e astúcia.

Um dia chega a essa Região de Cólquita Jasão, proveniente da região central da Grécia, chamada de Tessália. Jasão foi criado pelo centauro Quíron, “um homem cuja metade de baixo de seu corpo era de cavalo”. Ele veio a essa região em busca de algo que lhe fora prometido, um prêmio Velocino de Ouro, por ter realizado algo valioso em sua terra.

O rei Eetes, pai de Medéia, faz algumas exigências para que Jasão pudesse receber seu prêmio, tais como: “teria que lavrar um campo com dois touros indomados e depois semear no campo lavrado os dentes de um dragão.” 

 

Medéia se apaixona por Jasão e lhe promete ajudá-lo, com a condição  de que ao final de sua missão ele se casasse com ela. O pai de Medéia esperava que Jasão morresse durante essa difícil  tarefa.

A filha do rei, sabendo das intenções do seu pai e,  após oferecer a sua ajuda a Jasão e o mesmo concordar com o seu pedido,  começa então a ajudá-lo.

“Primeiro lhe oferece um unguento para conseguir domar os touros e arar o campo.Depois lhe adverte que dos dentes semeados nasceriam soldados imbatíveis e que deveria rolar uma grande pedra sobre eles, para que ficassem confusos e se matassem entre si por não saber quem teria feito rolar essa pedra”. 

Assim, Jasão supera os obstáculos e consegue concluir a tarefa a ele destinada e vai até o rei em busca do seu prêmio. Nesse momento, o rei Eetes, sabendo disso, manda queimar o barco onde se encontrava o referido prêmio. Medéia, mais uma vez  o ajuda oferendo ao dragão, que cuidava do Velocino de Ouro, uma poção poderosa que o fez adormecer. 

Com o prêmio em sua mão, os dois combinaram de voltar a terra de Jasão e Medéia prevendo a revolta de seu pai, decide levar seu irmão Apsirto na fuga e o mata, o esquarteja e joga no mar. O rei tendo que recolher os pedaços do filho e lhe fazer um funeral digno, acaba por não perseguir mais Medéia e Jasão.

Para chegar até a terra de Jasão, o casal ainda enfrentará vários desafios e, novamente com a ajuda de Medéia e suas mirabolantes ideias, eis que chegam a Corinto, onde outro rei Creonte, baseado em intrigas, convence Jasão a abandonar sua esposa  e casar com sua filha Crusa. E assim, Jasão deixa Medéia com quem já tinha dois filhos para se casar com a princesa de Corinto.

A vingança de Medéia

XIR182676 Jason and Medea, 1759 (oil on canvas); by Loo, Carle van (1705-65); 63×79 cm; Musee des Beaux-Arts, Pau, France; Giraudon; French, out of copyright

“Na peça de Eurípedes, Jasão confronta Medéia e tenta explicar-se, dizendo que não poderia deixar passar a oportunidade de se casar com uma princesa, enquanto que Medéia é apenas uma mulher bárbara e conta-lhe que pretende juntar suas duas famílias mantendo-a como sua amante. Ela lembra-lhe que deixou sua família para trás para segui-lo e salvou-lhe a vida diversas vezes.”

Desolada, Medéia resolve se vingar enviando a princesa um vestido e uma coroa envenenados, resultando assim na morte da princesa, bem como do seu pai, o rei, que ao ajudá-la sofreu o mesmo destino da morte.

Ainda não conformada com a traição de Jasão, Medéia em busca de ferir mais ainda Jasão  decide tirar a vida de seus filhos e,  logo após, incendeia o palácio. Medéia então sobe em uma carruagem puxada por serpentes em direção a Atenas. Lá se casa com o Rei Egeu, pai de Teseu. 

Enfim gente, o mito de Medéia ainda hoje é muito discutido em várias áreas, por trazer ainda hoje casos semelhantes conhecido como filicídio ( ato deliberado de um pai ou uma mãe a matar seu próprio filho ou filha).

Exemplo triste de um caso sobre filicídio na Inglaterra

Buscando aqui na Internet um caso sobre tragédias semelhantes a esse mito, encontrei essa triste história. Embora, aqui no nosso país, também não é raro, infelizmente, histórias como essa.

“Petros Williams, de 37 anos, teria decidido matar as crianças Yolanda e Theo Molemohi, de 4 e 2 anos respectivamente, depois que seu casamento com Morongoe Molemohi acabou.

“A promotoria alega que isso foi uma reação rancorosa e egoísta ao fim de seu casamento. Foi um ato deliberado de assassinato”, disse ao júri o promotor Andrew Thomas.

No vídeo exibido durante o julgamento, as duas crianças aparecem sentadas em um sofá sendo estimuladas pelo pai a dizerem “adeus” à sua mãe.

Dois dias depois, a mulher de 30 anos encontraria seus dois filhos mortos por enforcamento com cabos de computador no apartamento em que moravam com o pai, em Manchester.

“Eu fui pegá-los de debaixo do cobertor. Eu pensei que eles estivessem dormindo”, disse a mãe.

Segundo a acusação, o uso dos cabos para o estrangulamento foi um “simbólico ato de punição”, porque o réu estaria revoltado com o fato de a ex-mulher estar usando programas de relacionamento na internet para encontrar novos parceiros.”

Caso tenham interesse de ver a reportagem completa está no site abaixo:

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2010/03/100323_criancas_manchester_vdm.shtml

 

Era isso por hoje.

Obrigada pela visita. Você é sempre bem vindo(a) por aqui.

Um abraço.

 

Referências:

http://www.saberepreciso.com/2013/09/medeia.html

Bulfinch Thomas – O Livro de Ouro da Mitologia- História de Deuses e Heróis. Ed. Agir. Rio de Janeiro, 2014

http://www.polbr.med.br/ano10/art0810.php