Casa de Jung próximo a Zurique na Suiça

Oi gente

Olha que graça e capricho a frente e a entrada da casa

Hoje vim postar aqui para você sobre a casa de Carl Jung. Sabe aquelas oportunidades que aparecem e as vezes são únicas na vida? Pois é acredito que essa foi uma delas. Pois estávamos em Zurique acompanhando um grupo de trabalho do meu marido e no domingo tivemos um dia livre e aí me lembrei que era em Zurique que Carl Jung viveu e atuou grande parte de sua vida. E lá fui eu buscar informações para chegar até a cada de Jung. E assim foi e hoje trago aqui para você o que vi por lá…

Carl Jung: 1875 a 1961

Jung aos seis anos de idade

Sobre a infância infeliz:

Filho de pais neuróticos de um casamento fracassado. Nasceu na Suiça em 1875. Na sua família havia nove sacerdotes que contribuiu para que tomasse logo cedo conhecimentos sobre religião e estudos clássicos. O pai era considerado por ele como um fraco que não sabia manter o poder, tinha um humor que oscilava de bondoso e muito tolerante a irritabilidade não fornecendo ao filho uma figura de pai autoritário que Jung precisava. (p.86).

 

O capricho do cuidado da casa e do Jardim retrata bem o povo suiço.

A mãe de Jung, apesar de enérgica, também apresentava muita oscilação de humor, uma hora alegre e feliz e outra hora resmungona. Quando criança Jung pensava que eram duas pessoas que habitavam o corpo dessa mãe.

A casa é bem parecida com um verdadeiro castelo, porém com tamanho menor.

Jung devido a relação instável dos pais sentia-se excluído do mundo exterior, da realidade consciente. “Como fuga, voltou-se para o seu inconsciente, para o mundo dos sonhos, das visões e das fantasias, no qual ele se sentia mais seguro.”

“Sobre sua infância solitária Jung escreveu: “O padrão do meu relacionamento com o mundo já estava preestabelecido. Hoje, assim como naquela época, sou um solitário”. (Jung – 1961).

Encontramos uma parente de Jung, uma senhoria que estava cortando flores ao lado, não vou postar aqui por não ter sua autorização, mas tenho a foto dela e foi ela que nos contou que hoje quem reside nessa casa é o neto de Jung e que não se encontrava no momento, mas quando se quer conversar com ele é necessário tentar um contato anteriormente. Como essa visita não foi nada programada ficamos somente com as imagens das fotos que pudemos tirar.

Eu tirei essa foto porque me chamou a atenção esses escritos sobre a porta da entrada da casa. E pesquisando em um dos sites da referência encontrei o que significa:

“Vocatus atque non vocatus Devs aderit”, traduzido como: “Evocado ou não, Deus está presente”. “Este pensamento foi extraído por Jung do Collectanea Adagiorum, uma coleção de provérbios e sentenças de autores antigos gregos e latinos, obra de juventude de Erasmo, publicada exatamente em 1500 e que teve uma segunda edição ampliada em 1508”.

Na realidade essa casa não fica dentro da cidade de Zurique, ela está situada em Kusnacht uma pequena cidade muito próxima a Zurique, dá para se dizer que faz parte da grande Zurique, mas com a tranquilidade de um lugar menor. Foi aqui que Jung viveu grande tempo de sua vida com Emma e seus filhos.

“Ele criou alguns dos melhores conceitos psicológicos conhecidos, incluindo o arquétipo, o inconsciente coletivo, o complexo, e a sincronicidade. A classificação tipológica de Myers Briggs (MBTI) um instrumento popular psicométrico, foi desenvolvido a partir de suas teorias”.

O jardim na parte dos fundos da casa, que dá de frente para o grande lago de Zurique. Jung gostava muito também dos esportes aquáticos.

Jung decidiu estudar medicina na Universidade de Basiléia e resolveu, se especializar em Psiquiatria. Em 1900, trabalhou em um hospital psiquiátrico em Zurique. No seu segundo casamento, com uma herdeira mais rica de toda a Suiça, deixa o trabalho no hospital para passear no seu Chrysler vermelho conversível. Criou uma clinica independente e dava palestras na Universidade de Zurique.

Jung conheceu Freud em 1907 e trocaram muitas correspondências. Freud o tinha como um filho. Jung tinha suas próprias idéias e uma visão da personalidade humana diferente de Freud. Quando começou a criar e a expressar esses conceitos, não teve como evitar a separação. Romperam amizade em 1913.

Esse lugar é difícil de poder colocar ou imaginar pelas fotos. Os jardins e as flores, alí presentes, com um silêncio magnifico junto a um grande lago, gente é muito lindo e tranquilo. Fico imaginando o quanto da obra de Jung não foi pensada nesses espaços que tivemos a oportunidade de conhecer.

E agora trago aqui para você alguns pensamentos desse médico, psiquiatra e psicanalista, criador da psicologia analítica que muito contribuiu e ainda suas teorias contribuem para o traamento de muitos problemas relacionadas ao psiquismo.

E agora gente alguns pensamentos de Karl Jung para você para finalizarmos o post de hoje, que foi conhecer onde foi a residência desse importante estudiosos da psicanálise.

“Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro”.

“Uns sapatos que ficam bem numa pessoa são pequenos para uma outra; não existe uma receita para a vida que sirva para todos”.

“Erros são, no final das contas, fundamentos da verdade. Se um homem não sabe o que uma coisa é, já é um avanço do conhecimento saber o que ela não é”.

“O encontro de duas personalidades assemelha-se ao contato de duas substâncias químicas: se alguma reação ocorre, ambos sofrem uma transformação”.

E para finalizar o post de hoje quero terminar com essa frase de Jung que para mim é uma das que mais gosto.

“Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana“. 

Era isso por hoje gente.

Obrigada pela visita. Nos vemos por aqui.

Um abraço.

Referências:

http://ijusp.org.br/artigos/um-adagio-em-kusnacht/

Referência:   Schultz D.P. e Schultz S.E., Teorias da Personalidade – 9 edição. São Paulo, 2011. p. 85 e 86

https://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Gustav_Jung

http://sandplay.jogodeareia.com.br/carl-jung/